exclusivo

Zaffa está preocupado com venda de campus da Ulbra Gravataí; O bilionário leilão suspenso, os ’milhões’ da Prefeitura e os extraterrestres

O prefeito Luiz Zaffalon está preocupado com a venda da Ulbra/RS, que inclui o campus Gravataí em um leilão bilionário que era aguardado para o primeiro semestre deste ano, mas foi suspenso dia 24 deste mês a partir da aceitação pelo Tribunal de Justiça de recurso da União contra o Plano de Recuperação Judicial (PRJ) homologado pela Justiça de Canoas.

– Estou de olhos abertos. Quero participar desse negócio. Não gostaria de ter um novo esqueleto em Gravataí, como temos ao lado do Shopping. A universidade é nosso patrimônio – diz Zaffa ao Seguinte:.

– Meu medo é não termos interessados. É um momento de retração e mudança nesse mercado, com foco não mais em campus, mas em universidades virtuais, EAD. É tempo de 5G, Multiverso – alerta.

O levantamento para estabelecer os lances mínimos do leilão é elaborado pela FDI, multinacional com atuação na Bolsa de Nova Iorque. A projeção de fonte que conhece o mercado é que o lance mínimo chegue a R$ 2 bilhões.

Com patrimônio de cerca de R$ 3 bilhões, a dívida total da Ulbra é de cerca de R$ 6 bi, sendo R$ 4 bi em impostos em renegociação com o governo federal.

Só o campus Gravataí é avaliado em pelo menos R$ 24 milhões.

 

Em sigilo, investidores interessados

 

O advogado de associação de credores, que recorreu nesta segunda-feira da decisão, garante haver interessados em comprar todos os campi gaúchos “e ampliar, não fechar”. E busca tranquilizar ex-funcionários, prestadores de serviço e atuais empregados.

– A Ulbra não será abduzida por extraterrestres. Há muito ‘rádio corredor’. Será comprada inteira. Há grandes investidores interessados, que pedem sigilo. É um bom negócio. A Ulbra é uma das maiores universidades do país e o EAD é dos melhores ranqueados no Brasil. A recuperação judicial, aprovada por mais de 90% dos credores, é a garantia para receber mais rápido, principalmente os mais humildes. Uma falência, como aconteceu com a Varig, seria um risco – argumenta Felipe Merino ao Seguinte:.

Para garantir a sequência do PRJ, o advogado trabalhista que preside a associação dos ex-empregados credores da Ulbra ingressou hoje com petição no TJ, que você acessa clicando aqui.

– A associação está fazendo o recurso que nem Ulbra, nem sindicatos fizeram – diz o professor, que já teve confirmada agenda com o desembargador Niwton Carpes da Silva, da 6ª Câmara Civel do TJ, que suspendeu o PRJ devido à falta de regularização fiscal da Ulbra junto a União, em despacho que você acessa clicando aqui.

– A Ulbra já entrou com pedido de recuperação fiscal, mas ainda não obteve resposta. Acredito que caia logo a decisão do TJ e o leilão aconteça at[é junho, julho – projeta.

Conforme o advogado, são mais de 8 mil trabalhadores beneficiados, entre ativos e inativos. Os funcionários em atividade também terão estabilidade de 12 meses a contar da homologação do plano.

Até o fechamento deste artigo o diretor da Ulbra Gravataí, Daniel de Brum, e o advogado da Aelbra, Thomas Dulac Müller, não responderam ao contato do Seguinte:.

Ao jornal Correio do Povo, em dezembro, Müller comemorou a homologação da recuperação judicial:

– A aprovação do Plano permite não apenas pagar os credores, mas dar continuidade a um trabalho de décadas em excelência acadêmica, agora dentro de um ambiente mais saudável do ponto de vista econômico. Nessa recuperação, foram quebrados paradigmas. É a maior recuperação judicial do nosso Estado e uma das maiores do Brasil, mas, diferentemente de muitas, é uma recuperação que vai dar muito certo, que na verdade já está dando certo, pois prevê a continuidade do negócio, tão desejada pelo legislador.

 

Em 92, Prefeitura auxiliou com ‘milhões’ para compra da área

 

Como a Prefeitura de Gravataí teve participação na compra da área do campus, o prefeito Luiz Zaffalon pesquisou junto ao Registro de Imóveis, mas não há impedimento da Aelbra, mantenedora da Ulbra, vender a área avaliada em pelo menos R$ 24 milhões.

São 50 mil metros quadrados e área construída tem 26,9 mil metros quadrados, entre salas, auditório, restaurante, estacionamento para cerca de mil vagas, ginásio de esportes, biblioteca e outras estruturas. Na Avenida Itacolomi, próximo à ERS-118, apenas o terreno estaria avaliado em R$ 6 milhões, com base nos ITBIs emitidos na região.

O Seguinte: apurou que a Lei 791, de 4 de dezembro de 1992, que estabeleceu protocolo de intenções entre a Prefeitura e a Ulbra para a instalação do ensino universitário, não disponibiliza online o anexo com o termo de compromisso entre o público e o privado.

Já a Lei Municipal 799, promulgada em 30 de dezembro de 1992 pelo prefeito José Mota (em memória) após aprovação da Câmara de Vereadores, autorizou a Prefeitura a garantir “… Auxílio a Universidade Luterana do Brasil no valor de Cr$ 210.000.000,00 (duzentos e dez milhões de cruzeiros) para aquisição da área para construção da escola…”.

Corrigindo a números de hoje, seriam cerca de R$ 8 milhões.

 

Campus Gravataí: R$ 24 milhões

 

A estimativa de valia do campus Gravataí em R$ 24 milhões é feita pelo Prefeitura a partir do modelo previsto para o edital de leilão das áreas dos campi também de Canoas, Cachoeira do Sul e Carazinho.

A venda, suspensa desde a semana passada pelo TJ, tinha sido autorizada em 17 de dezembro de 2021 em sentença que homologou o Plano de Recuperação Judicial (PRJ), construído nos últimos dois anos para garantir o pagamento dos credores e a continuidade dos trabalhos acadêmicos.

No PRJ está previsto o leilão dos imóveis operacionais da Ulbra, incluindo as estruturas de Gravataí, Canoas, Cachoeira do Sul e Carazinho, na forma de UPI, a ‘oportunidade de aquisição de Unidade Produtiva Isolada’.

A operação da Instituição de Ensino Superior (IES) da Ulbra no RS também será alienada via UPI dentro do processo de recuperação judicial.

A homologação do Plano foi homologada pela juíza de Direito da 4ª Vara Cível da Comarca de Canoas, Luciane Di Domenico Haas, após parecer favorável do Ministério Público, sob a argumentação de afastar o risco de falência da instituição.

A magistrada diz na sentença que “… a recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica…”.

 

Prêmio à ‘má-gestão’ e outras cositas mas

 

Ao fim, é justa a preocupação do prefeito.

Apesar do advogado Felipe Merino apostar na venda da Ulbra por inteiro, há, diferente de Canoas, onde tem um hospital em anexo à universidade, desconfiança sobre o interesse no campus Gravataí.

Seria um trauma para os gravataienses perder uma universidade, responsável pela formatura de mais da metade dos advogados em atuação na comarca.

Mas inegável é que a recuperação judicial é um prêmio à má-gestão da Ulbra; e outras cositas mas. Fiz essa pergunta-afirmativa ao advogado, que concordou:

– Não foi só má-gestão, com investimentos alheios ao mercado universitário, como exposições de carros antigos e times profissionais de futebol e vôlei. O antigo reitor da Ulbra roubou dinheiro e botou no bolso. Foi condenado criminalmente por desvio de verba. Hoje a Ulbra paga por esse passado obscuro – lamentou Felipe Merino, referindo-se à condenação a pena de reclusão de cinco anos e três meses em regime semiaberto, que um ex-reitor da Ulbra/RS recorre por lavagem de dinheiro em investigação do Ministério Público Federal que envolve compra e venda de uma fazenda, e a aquisição de dois veículos de luxo, conforme sentença proferida pelo juiz Guilherme Beltrami, da 7ª Vara Federal de Porto Alegre; além de outra ação que responde pelo suposto desvio de R$ 6 milhões repassados à Ulbra pela Prefeitura de Canoas.

Como bem faz Zaffa, e os credores e funcionários temerosos de calote e demissão, o Seguinte: vai acompanhar o caso.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »