política

Viagens de ex-vereadores de Gravataí deixam R$ 150 mil para família do falecido Nadir pagar; A conta do ’CâmaraTur’

Viagens de vereadores sem prestação de contas adequadas, no que batizei ‘CâmaraTur’ de Gravataí, deixaram uma conta de R$ 150 mil para a família do falecido Nadir Rocha pagar com seu espólio do 'político do povão'. O ex-vereador tem um processo de execução judicial que atrapalha seu inventário.

Dos Grandes Lances dos Piores Momentos é que a devolução de dinheiro das viagens é referente a 2011, quando o parlamentar presidiu a Câmara, não de 2016, quando o escândalo das viagens chegou ao Fantástico, pelo gasto de R$ 1 milhão ser maior que o legislativo da megalópole São Paulo, como tratei em artigos como Câmara gastou R$ 1 milhão com viagens e Bancada das diárias perdeu mais de 8 mil votos.

– É um absurdo. A conta ficou para a família – lamenta o filho, Leandro.

O Seguinte: teve acesso ao processo e ao relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e lista entre beneficiados com passagens e diárias cuja comprovação foi considerada irregular os ex-vereadores Carlos Medeiros, Márcio Souza, Ricardo Canabarro, Tânia Ferreira e Vail Correa, os já falecidos Acimar da Silva, Bernardo Nunes, Luis Carlos ‘Cau’ Dias e Roberto Andrade, além da servidora Maria Helena Petry Lima.

Nadir, que também aparece, mas com um gasto de R$ 735,85 em uma ordem de devolução de, à época, R$ 47.252,69, também faleceu vítima de um infarto em maio, como reportei em artigos como Adeus ao ‘político do povão’: Nadir Rocha recebe as últimas homenagens e Morre vereador mais antigo de Gravataí: O que posso contar sobre Nadir Rocha.

O relatório completo, que você acessa clicando aqui, apontava irregularidades de meio milhão, incluindo diferenças salariais para servidores, depois anuladas. Restaram os quase R$ 50 mil, que corrigidos chegaram aos R$ 150.448,16, já inscritos como dívida ativa na Secretaria da Fazenda.

A advogada da sucessão, que pediu para não ser identificada, disse que a família ainda não decidiu o que vai fazer.

Ao fim, é o risco que correm os políticos que assumem o comando dos poderes executivo ou legislativo. Nadir, por ser o presidente à época, responde solidariamente por uma conta que, diretamente, colaborou com zero após a vírgula.

A dívida será executada não sobre bens dos familiares, mas sobre o patrimônio que Nadir deixou, caso não seja movida uma ação de cobrança aos envolvidos – dos 9 ex-vereadores, 4 já falecidos – que pode se arrastar por anos.

Fato é que a falta de prestação de contas, que poderia ser feita com simples comprovantes aéreos e notas de hotéis ou refeições, não o foi pelo descontrole que vivia a gestão interna da Câmara, e levou ao afastamento, pelo próprio Nadir, de dois servidores do quadro suspeitos de irregularidades de quase meio milhão de reais, além de ter sido a época do impeachment, que tratei ainda hoje em 10 anos do golpeachment: a politicagem e o dinheiro me cassaram, diz Rita, a ’Dilma de Gravataí’.

Bonito, porém improvável, seria os políticos que aproveitaram do ‘CâmaraTur’, ou suas famílias, no caso dos falecidos, dividirem essa conta com os herdeiros do Nadir.

 

LEIA TAMBÉM

Nadir Rocha, o homem que parou um canhão; Uma memória após o falecimento do ’vereador do povão’

O Nadir é pop!; após o infarto, ’avisa lá que eu tô voltando’

PERFIL NADIR ROCHA | O político do povão

 

Assista ao vídeo do Seguinte: das últimas homenagens a Nadir

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »