política

Vereadores de Gravataí podem ter mesma reposição de 10 por cento do funcionalismo; Os mil a mais e o osso

Os vereadores serão incluídos no reajuste de cerca de 10% que será apresentado para o funcionalismo de Gravataí. O presidente da Câmara Alan Vieira (MDB) confirmou na manhã desta segunda-feira ao Seguinte: que vai submeter a votação dos 21 parlamentares reposição.

A reposição corresponde a cerca de R$ 1 mil no salário bruto de R$ 10 mil dos parlamentares, que tem os subsídios congelados desde 2013, assim como o prefeito, vice e secretários, a pedido de Marco Alba (MDB) em seus dois governos.

A polêmica sobre o salário dos políticos explodiu no Grande Tribunal das Redes Sociais após o sincericídio do vereador Fernando Deadpool (DEM), que reportei sexta-feira em Já se fala em aumento de salário para vereadores de Gravataí; A fila do osso.

O que Alan não vai fazer é apresentar um projeto para fixar novo salário para os vereadores. A mudança nos vencimentos só pode ser feita de uma legislatura para outra e, portanto, só valeria para 2025.

– Só apresentarei a reposição da inflação que será dada aos 4 mil funcionários – diz o presidente, que prevê para este ano o envio de projeto pelo prefeito Luiz Zaffalon (MDB) antecipando a data-base de todos os servidores para janeiro, como antecipei em LDO 2022: ’É melhor momento para Gravataí’; O otimismo de Zaffa em números – e reposição aos servidores.

Com o socorro federal da pandemia em 2020 a reposição – mesmo que apenas da inflação – restou proibida aos governadores e prefeitos em 2021. No acordo para aprovação da reforma da previdência municipal, Zaffa já tinha sinalizado a antecipação da data-base aos vereadores da base e aos sindicatos (os professores calculam perdas de quase 4 a cada 10 reais nos últimos 10 anos).

Ao fim, não reputo um absurdo a reposição aos políticos, que deve incluir os secretários, prefeito e vice – apesar de apostar que pedirão o congelamento de seus vencimentos o prefeito Luiz Zaffalon e o vice Dr. Levi (Republicanos).

Mas concluo da mesma forma que o artigo anterior: “É verdade que a Câmara tem salários congelados e mais baixos entre as maiores cidades gaúchas. É verdade que não temos mais o ‘CâmaraTur’, com viagens de vereadores, há quase quatro anos. É verdade também que a economia feita pela Câmara permitiu que hoje fosse entregue à Santa Casa um cheque de R$ 3 milhões em sobra de orçamento para a construção da nova Emergência do Hospital Dom João Becker. Mas também é uma realidade venezuelana que a população não vai engolir um aumento de salário para políticos quando tem gente na fila do osso”.

O Seguinte: já garante espaço para argumentos de vereadores – a favor ou contra.

Fato é que é ‘pauta-bomba’ e os políticos vão medir o custo em popularidade de ganhar os mil reais a mais.

É osso!

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »