crise do coronavírus

Upas, UTI e leitos lotados: covid cresce 800 por cento; Gravataí e Cachoeirinha vão ’fechar’ de novo? Prefeituras respondem

A média diária de infectados pela covid-19 em Gravataí e Cachoeirinha já aumentou 800% em janeiro, em relação a dezembro. Há dez dias, como o Seguinte: reportou em Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL, tinha quadriplicado.

A ‘ideologia dos números’, e as imagens das UPAs lotadas, começam a pressionar por novas restrições, apesar de ainda não ser a intenção dos prefeitos. O apelo de Luiz Zaffalon e Maurício Medeiros é pelos cuidados individuais da comunidade, que já vive o ‘novo normal’. São os protocolos sanitários como uso de máscara e álcool gel, lavagem de mãos e distanciamento social, além de observar os prazos para as doses de reforço da vacina.

Mesmo que sem a mesma virulência e letalidade, os indicadores voltaram aos piores momentos da pandemia em número de infecções, onde você dá um F5 para atualizar o site do coronavírus da Prefeitura e logo um novo caso já aparece.

É o efeito da ômicron, que já tem dna gravataiense, como reportei em Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde.

Se permanece a boa notícia da redução de vidas perdidas – em Gravataí duas em 24 dias, frente a uma média de uma a cada dois dias entre setembro e dezembro, e 6 a cada 24h entre os morais março e abril de 2021; e nenhuma em Cachoeirinha – as UTI e leitos covid lotaram nesta segunda-feira.

Dezembro fechou com 25.445 casos e 980 mortes desde o início da pandemia em março de 2020. Às 15h30 desta segunda já eram 27.311. Só nos primeiros 24 dias do mês, 1.866 infectados. A média de casos a cada 24h, que foi de 10 entre setembro e dezembro de 2021, e de 40 dia 14, hoje é de 80/dia.

Se há 10 dias não havia lotação, hoje já há. Dia 14 havia no Hospital Dom João Becker/Santa Casa 7 pacientes para 8 leitos de UTI covid e 9 pacientes para 12 leitos de enfermaria covid. Nesta tarde os leitos covid estão todos lotados.

Como medida, em Gravataí, o primeiro atendimento, que era feito nas duas UPAs, na metade do mês foi ampliado para as 20 unidades de saúde da família e, nesta segunda, a Prefeitura anunciou que todas as unidades de saúde restringiram atendimentos eletivos e passam a destinar 30% de sua capacidade para os pacientes com sintomas de coronavírus.

Em Cachoeirinha, além da UPA, o atendimento foi ampliado para as USFs Décio Martins Costa e Odil Silva de Oliveira.

A Santa Casa não se manifesta sobre o atendimento das UPAs, sob sua responsabilidade desde janeiro deste ano, como analisei em Santa Casa administrando UPAs é a notícia do ano em Gravataí; É grife em gestão e vacina contra corrupção. Conforme informações prestadas pela assessoria ao Seguinte:, a partir de acordo a prestadora de serviços não deve se manifestar, apenas a Prefeitura.

O Hospital Dom João Becker só atende pacientes com suspeita de covid na Emergência Convênio. Conforme a assessoria, só hoje foram 63. No final de dezembro a média era de 28 por dia.

Apesar de não divulgar números, a assessoria garante que nenhum setor do HDJB ficou descoberto por falta de profissionais, mesmo com o rígido protocolo da Santa Casa que afasta por sete dias inclusive quem teve contato com familiares positivados.

Nesta semana a região Porto Alegre (R10), a qual pertencem Gravataí e Cachoeirinha, deve receber pela segunda vez consecutiva o ‘Alerta’ do Gabinete de Crise do Governo do Estado, conforme do sistema 3As.

Ainda não deve haver nenhum aumento de restrições decretado pelo governador. Eduardo Leite já comunicou que aguarda os prefeitos.

– Só se a R10 combinar de restringir. Temos diariamente aumentado a estrutura de atendimento e monitorado os indicadores junto à Santa Casa. Hoje também conversamos com Acigra e Sindilojas para ver como indústria e comércio podem colaborar – disse ao Seguinte: o prefeito de Gravataí Luiz Zaffalon.

– Pela transmissibilidade assustadora da nova variante, e também pelas consequências menos graves e trágicas, não temos a certeza de que um decreto mais restritivo teria eficácia. Neste momento o apelo é pelos cuidados individuais – disse ao Seguinte: o secretário da Saúde de Cachoeirinha, Juliano Paz, observando que o aumento na testagem tem impactado no diagnóstico de novos infectados.

O consenso, dos governos e especialistas, é que, graças ao sucesso da vacinação, apesar da explosão de casos a alta das hospitalizações não ocorre na mesma velocidade que a elevação de pessoas confirmadas com a doença.

No Rio de Janeiro, por exemplo, dados divulgados pela BBC Brasil na manhã desta segunda, 24, registram que 90% dos internados nos hospitais fluminenses não completaram o esquema vacinal disponível no Estado e 38% deles sequer tomaram qualquer dose da vacina. 

Ao fim, apesar das mentiras, como analisei quinta em Covid: estão mentindo para mães e pais de Gravataí e Cachoeirinha sobre a vacinação de crianças, são os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos: só a vacina protege a vida e a economia.

É a ‘ideologia da ciência’, covidiotas.

 

LEIA TAMBÉM

Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas

Zaffa, imite prefeito de NY e obrigue a vacina em Gravataí; A ditadura da vida

Onde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí; O ’passaporte vacinal’

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »