cultura

Um museu a céu aberto de ’lambe-lambes’ para contar Cachoeirinha

A história de Cachoeirinha será contada de uma forma que ainda não foi mostrada na cidade. Usando cartazes do tipo “lambe-lambe”, diferentes recortes da história serão mostrados em dez pontos do município, através do projeto “Museu de rua da cultura de Cachoeirinha”, selecionado no FUCCA 2021. Cada um dos cartazes trará uma representação diferente, a partir do olhar de um artista.

Segundo o proponente, Luiz Felipe Schulte Quevedo, a ideia é privilegiar as Artes Visuais, já que são pouco exploradas e incentivadas aqui.

– Não há galerias ou museus, nem existe um público formado. Por isso, contemplamos esta categoria e procuramos incentivar artistas iniciantes. Também pensamos na sacada dos lambe-lambes, devido ao custo ser mais baixo – explicou.

O lambe-lambe é um pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos, podendo ser pintado individualmente com tinta látex, spray ou guache.

Para ele, apesar de ser uma cidade relativamente nova, há uma série de históricos culturais que precisam ser contados:

– É preciso retomar um pouco da história e da cultura da cidade, pois os mais jovens ainda não conhecem. Fizemos uma série de listas, com mais de 30 pontos da cultura da cidade, e elegemos 10, para colocar como missão para 10 artistas representarem isso com o lambe. Os temas ainda são uma surpresa. Queremos homenagear pessoas, lugares, experiências da cultura, riquezas da cidade. Queremos fazer com que a cultura seja valorizada na cidade e que os artistas desenvolvam melhor seu trabalho, seu traço, ser valorizado com seu reconhecimento e com uma verba como forma de incentivo.

A comissão que selecionou os temas é formada pelo proponente Luiz Felipe, por Renata Borges, professora e estudante de políticas públicas e gestão da educação, por Davi Guilherme, relações-públicas, por Wagner Coelho, produtor cultural e audiovisual e por Julia Dávila, estudante de Direito. Luiz Felipe é produtor cultural, artista e bacharel em Artes Visuais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atua no setor das artes visuais desde 2011 quando foi estagiário no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul  (MACRS).

Participou na UFRGS no Núcleo de Tecnologia Digital Aplicada à Educação (NUTED) e no Núcleo de Estudos de Subjetivação Tecnológica e Arte (NESTA) e participou do Núcleo de Instauração Artística da UFRGS. Desenvolve através da Empresa Montaria, produções e montagens para as principais galerias e museus do estado, entre estes MARGS, MACRS, Farol Santander e Fundação Iberê Camargo. Atua também como design visual e editor de fotografia e vídeo, além de consultoria tecnologia para outros artistas.

O Fundo da Cultura de Cachoeirinha (FUCCA) é uma iniciativa do município de Cachoeirinha, através da Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo, de fomentar setores da cultura da cidade por meio do financiamento de projetos selecionados via edital. Este ano, são dez projetos, que receberão o valor de R$ 10 mil cada um, para executar sua ação cultural no município até o prazo de 31 de dezembro.

Para o prefeito Miki Breier, o FUCCA é uma importante forma de incentivar a cultura.

– E estamos sempre buscando mecanismos para impulsionar o setor está entre os mais atingido pela pandemia – afirma.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »