veraneio das urnas

Anabel e o contágio da ameaça de greve no governo Miki

Anabel em visita a Miki em janeiro, após o ex-marido assumir a Prefeitura de Cachoeirinha

Haveria preocupação da própria Anabel Lorenzi (PSB) com o ‘contágio’ de sua campanha em Gravataí pela crise entre o prefeito de Cachoeirinha Miki Breier (PSB) e o funcionalismo.

O governo tem 48 dias e os servidores já estão em estado de greve após o envio à Câmara de um pacote de ‘corte de vantagens’ para ajustar as contas da Prefeitura.

 

LEIA TAMBÉM

Pacotaço de Miki corta vantagens dos servidores

 

Instigada no debate da TVE entre os prefeituráveis da aldeia, Anabel tentou se descolar do governo de seu partido para lá da 59.

– Sou candidata a prefeita de Gravataí – foi seu escudo.

Se a estratégia do ‘não é comigo’ vai dar certo, os próximos dias dirão. Inegável é que para a candidata resta mais difícil se dissociar de um governo que tem como comandante seu ex-marido e ainda um parceiro político de peso, sempre presente em grandes atos de sua campanha a prefeita.

Afastar-se do ex-prefeito Vicente Pires (PSB), ou do governo José Ivo Sartori, é barbada, mesmo com a impopularidade dos dois e seus atrasos de salários.

O exemplo de Vicente, que brigou com a cidade inteira, ficou esquecido em 2016. E é notória a péssima relação entre o atual e o ex-prefeito, mais ou menos como Daniel Bordignon e Sérgio Stasinski em Gravataí. Miki, mesmo carregando junto o alto e baixo clero político na cidade onde todos os vereadores são governo, assumiu praticamente como oposição ao colega.

E, em relação a Sartori, há um salvo conduto, já que os partidos das três principais candidaturas no ‘veraneio das urnas’ fazem parte do governo.

O que complica para Anabel anular o ‘efeito Miki’ é que, além da relação familiar e a convergências das trajetórias políticas dos dois, há 10 dias o governo vizinho foi usado como exemplo de boa arrancada, na convenção que a escolheu candidata a prefeita e Dilamar Soares (PSD) vice.

 

LEIA TAMBÉM

Anabel contra o coronel e o general

 

Para piorar, ouvir o discurso dos sindicalistas de Cachoeirinha é como um deja vu das sessões da Câmara de Gravataí onde cortes de vantagens apresentados pelo prefeito Marco Alba (PMDB) eram criticados apaixonadamente pelos vereadores ligados a Anabel.

Como não parecer que, quando o partido está na oposição denuncia o ‘corte de direitos’ do funcionalismo, e quando está no governo defende o ‘fim dos privilégios’ dos mesmos servidores?

Não bastasse, uma das críticas tiradas da assembleia dos municipários de Cachoeirinha é a “falta de diálogo” por parte do prefeito, pressionado a ir pessoalmente para a mesa de negociações nesta segunda em que os funcionários vão acampar e almoçar em frente à Prefeitura.

Exatamente o que Anabel e os seus cobravam de Marco Alba em Gravataí.

Sem entrarmos no mérito do tamanho da crise que assola Cachoeirinha, ou do rombo nas contas e as dívidas do passado que Marco Alba denunciava em Gravataí, politicamente Anabel tem mesmo que se preocupar com o 'contágio'.

Além de não poder ser vista como uma ‘aventura’, para ser eleita a professora precisa avançar nos votos do funcionalismo, historicamente simpáticos ao ‘Grande Eleitor’ Daniel Bordignon, que apresenta como candidata a esposa Rosane Bordignon.

O exemplo de Cachoeirinha poderia lhe tirar da posição cômoda de surfar em promessas que só quem está na oposição pode fazer. Desde preservar o que os funcionários tem, até o posto de saúde a cada quilômetro que Germano Rigotto prometia em 2002, ou os seis postos de saúde abertos até a meia-noite que ela, Anabel, promete hoje.

No big brother das redes sociais, não custaria barata a associação de Anabel a Miki e sua possível greve.

Gravataí é aldeia, não ilha.

 

LEIA TAMBÉM

Quem ganhou o debate? | Opinião

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade