câmara

A polêmica entre o Observatório Social e o Bolsonaro da Aldeia

Representantes do Observatório Social foram à Câmara acompanhar votação da limitação de viagens

O Observatório Social de Gravataí divulgou nota reagindo a críticas feitas pelo vereador Clebes Mendes (PMDB) na sessão que votou o projeto que limitou as viagens dos parlamentares.

– O Observatório Social encara essas manifestações como desconectadas dos valores éticos e morais indispensáveis a todas as pessoas detentoras de cargos públicos, sobretudo cargos eletivos – diz trecho da carta aberta, assinada pelo presidente Marco Diniz e postada no site oficial da entidade formada por empresários, profissionais liberais e gente da comunidade para fiscalizar os gastos da Prefeitura e da Câmara.

 

LEIA TAMBÉM

Como foi a votação das viagens dos vereadores

 

De seu jeito sem meias palavras, Clebes, o ‘Bolsonaro da Aldeia’, repetiu há pouco, ao Seguinte:, as afirmações que fez após representantes do Observatório criticarem o ‘CâmaraTur’ que, apesar de não registrar milhagens na nova legislatura, entre 2013 e 2016 consumiu R$ 1 milhão em diárias, passagens aéreas e inscrições para cursos pelo país, num escândalo nacional que colocou a Câmara como a que mais gastou no Brasil, acima inclusive que a magalópole São Paulo.

– Tenho que dar satisfações a meu primeiro fiscal, que é o eleitor, e não a quem só fala mal das coisas da cidade. Já temos o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público fiscalizando a Câmara, além das urnas – argumenta, alertando para uma campanha de “desconstituição” do legislativo e dos políticos.

 

LEIA TAMBÉM

Câmara gastou R$ 1 milhão com viagens

GASTOS COM DIÁRIAS: o CâmaraTur em queda livre

 

A CARTA

Confira os principais trechos da carta do Observatório, que você clica aqui para ler.

 

(…)

É inaceitável que um representante eleito pelo povo e para o povo repreenda a participação popular nas sessões legislativas.

 

(…)

A fiscalização popular dos recursos públicos é da essência do estado republicano, não cabendo ao vereador limitar os desestimular a realização destas prerrogativas cidadãs, ao revés, por estar empossado em cargo público deveria estimular a maior participação popular no controle social dos recursos públicos. Infelizmente, ao que parece, não é esse o objetivo do vereador mencionado, cabendo ao Observatório Social ratificar suas garantias e liberdades democráticas, sua causa de existir, ademais de esclarecer ao vereador que não irá fraquejar em sua missão social.

 

LEIA TAMBÉM

OPINIÃO | Viagens dos vereadores: um projeto é pior que o outro

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade