eduarda luzia

Top 5 1971 – 5 Grandes Álbuns do Ano Revolucionário

Que em 1969, o Woodstock mudou a cena musical e social mundo a fora, em 1980, o Rock Brasileiro nasceu e que nos 50, os três acordes fizeram uma revolução no que seria chamado de rock n’ roll, todo mundo sabe, porém, o emblemático ano de 1971, foi um dos responsáveis por abrigar grandes discos das maiores bandas do mundo.

O cenário que refletia turbulência cultural e política, já não era mais contextualizado pelo ‘flower power’, e sim por músicas de protesto, apoio a movimentos sociais e exílios que renderam obras primas sonoras, que completam meio século em 2021, e foram catalisadores de mudanças de pensamentos e atitudes.

Separamos 5 grandes discos para você saber mais sobre este ano fantástico, se inspirar e dar play!

 

1. Sticky Fingers – The Rolling Stones

Para abrir a seleção com chave de ouro – ou com o pé na porta – nada mais justo que trazer o álbum pré exílio dos ingleses mais polêmicos da época. Após a morte de Brian Jones, shows conturbados e dívidas acumuladas, o clima entre os garotos de Dartford não era o mais leve, e ficou refletido no clássico álbum com capa de Andy Warhol.

Sticky Fingers tem sonoridade densa, canções clássicas como ‘Brown Sugar’, reflete o momento vivido em músicas espetaculares como Sway e Wild Horses e é o primeiro álbum que conta com o novo guitarrista Mick Taylor em toda a sua execução, que também merece amplo destaque.

Para ouvir:

https://open.spotify.com/album/29m6DinzdaD0OPqWKGyMdz

 

 

2. Tapestry – Carole King

Além de ser bálsamo para os ouvidos, Tapestry é reconhecido por ter feito história. O disco alcançou o primeiro lugar nas paradas da Billboard por 15 semanas consecutivas, e até hoje, é o álbum de uma mulher que ficou mais tempo ocupando essa posição. O maior álbum da carreira de Carole lançou a artista para um novo patamar, onde a mesma fez história também como compositora de grandes músicas para artistas consagrados como Aretha Franklin.

‘I feel the earth move’ embalou a geração que queria o fim da guerra e o direito de lutar por suas ideologias.

Ouça essa e o disco na íntegra clicando aqui:

 

3. Eletric Warrior – T Rex

A grande obra do Glam Rock, Eletric Warrior, também foi lançada em 1971. O principal disco do T Rex permaneceu no topo da parada britânica por várias semanas e é apontado como o número 160 entre os 500 maiores álbuns eleitos pela revista Rolling Stone.

A faixa de número seis, ‘Get it on’ é um hino do rock clássico e é acompanhada por baladas lindíssimas como ‘Cosmic Dancer’ e ‘Life’s a Gas’.

Clique no link e dê o play:

 

4. What's Going On – Marvin Gaye

What’s going on foi um marco não apenas nas paradas e na black music, mas na construção de uma nova visão de mundo e serviu como um “sangue novo” pelo direito de lutar por liberdade através da arte.

A fase sombria que Gaye passava ficou estampada nas faixas que compõem o disco e que receberam uma roupagem diferente de suas músicas anteriores. Elementos de jazz e música clássica fazem parte das canções do álbum apontado como um dos 50 maiores de todos os tempos, segundo a Rolling Stone.

Som na caixa!

 

 

5. Jardim Elétrico – Os Mutantes

1971 também foi um ano riquíssimo também para a música tupiniquim, que contava com o lançamento de Construção, de Chico Buarque entre outras maravilhas. Como a colunista que vos fala nutre um certo fascínio por Rita Lee os irmãos Dias Baptista, vale ressaltar também o não tão óbvio, Jardim Elétrico.

Bebendo ainda na fonte da psicodelia, os Mutantes já mostravam uma sonoridade mais rock e com pitadas do estilo progressivo, no qual, logo, a banda iria entrar de cabeça.

O penúltimo disco com Rita Lee na formação, já abre com o big hit ‘Top Top’ mostrando rebeldia e descontentamento.

Cabe o destaque também para os vocais de Arnaldo Baptista em ‘It’s very nice pra xuxu’, as guitarras de Sérgio em ‘Jardim Elétrico’, a doçura e a nostalgia na homenagem ‘Lady Lady’, entre outros incontáveis pontos destacáveis do álbum que “é lindo de morrer”!

Dê o play:

https://open.spotify.com/album/1BBamdq6Y45NLtttJlBxrf

 

:

 

Para ficar ainda mais por dentro do revolucionário 1971, assista:

‘1971 – O ano em que a música mudou o mundo’, na Apple Tv

 

Assista live sobre 1971 no canal da jornalista Daniela Zuppo

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »