moisés mendes

Repitam Gilmar Mendes: não haverá golpe

O Brasil dos videntes deveria ser menos pessimista e dizer o que Gilmar Mendes afirmou em entrevista à Daniela Pinheiro, do UOL. Não haverá golpe, porque não há como Bolsonaro aplicar e manter um golpe. Parem de dizer que seremos golpeados.

Mendes vai além das abordagens que há pelo menos dois anos anunciam o golpe para amanhã. O ministro despreza a exacerbação do sentimento fatalista e acaba dizendo o que salta das entrelinhas: não tentem o golpe.

Mas o melhor da entrevista é mesmo o recado, também subentendido mas mesmo assim ostensivo, para que parem de repetir que haverá golpe.

E que substituam este eu-estou-avisando por ações que ofereçam suporte ao Supremo. O STF precisa de lastro político e social para resistir e vencer o fascismo.

É cômoda a posição de boa parte da esquerda, segundo a qual o Supremo deve ser confrontado com a própria inércia diante do lavajatismo, do golpe de 2016 e da ascensão do bolsonarismo.

O que as esquerdas precisam lembrar para serem menos derrotistas é que o último grande golpe na América Latina, por seu impacto direto na região e pela repercussão mundial, aconteceu em 1976 na Argentina.

Golpes ou tentativas de golpe posteriores no Peru, no Paraguai, no Equador, na Venezuela e na Bolívia não tiveram relevância no contexto da região.

Foram movimentos que não afirmaram situações nem lideranças golpistas duradouras. Só a Argentina teve três tentativas de golpe, nos anos 80, sem que alguém se lembre hoje dos nomes dos golpistas.

Fracassos mais recentes envolveram o golpismo brancaleone de Juan Guaidó, na Venezuela, há três anos, mas sem protagonismo militar, e o golpe contra Evo Morales, também em 2019, na Bolívia, como fiasco histórico dos generais.

Um fiasco tão grande que, um ano depois do golpe, o Movimento ao Socialismo voltou ao poder, em eleições, e os chefes militares, levados ao golpe pelas polícias amotinadas, foram encarcerados.
Todos são vistos hoje na Bolívia menos como golpistas e mais como covardes.

Se os militares não são personagens de conspirações com alguma importância há muito tempo na região, o tenente Bolsonaro seria uma exceção capaz de mobilizar generais para que façam o que a extrema direita não consegue desde 1976?

O ministro Luis Roberto Barroso disse neste domingo em evento de uma universidade alemã, que, apesar de as Forças Armadas estarem sendo “orientadas” a atacar as eleições e a democracia, ele não acredita no êxito dessa orientação.

O que nem Mendes nem Barroso dizem de forma explícita, para não serem ofensivos com o sujeito no poder – mas deixam subentendido –, é que Bolsonaro não tem liderança para segurar um golpe.

O elemento pode anunciar que está golpeando, pode dizer que o golpe está em curso e sob controle, mas não terá como mantê-lo, com seus desdobramentos imprevisíveis.

As duas declarações, de Mendes e Barroso, tratam de racionalidade e de sentimentos. São manifestações de duas autoridades de peso de dentro da estrutura atacada por Bolsonaro.

O sentimento deles é o que deve prevalecer hoje: o golpe pode estar sendo preparado, mas não vai prosperar, mesmo que seja acionado.

O golpe só terá êxito se o país se dobrar ao delírio miliciano. Nos episódios mais recentes, venezuelanos e bolivianos não se dobraram.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »