3º Neurônio | ideias

Putin, o agressor

O Seguinte: reproduz o artigo de Juremir Machado da Silva, publicado pelo Matinal Jornalismo

 

O ataque russo era certo.

A imprensa internacional noticia a invasão sem papas na língua.

Mas há quem continue apegado a um bordão muito amado e popular: se é ruim para os Estados Unidos, então só pode ser bom.

Está dentro.

Há razões de sobra para odiar os Estados Unidos e sua política internacional. Só que isso não garante que esteja sempre errado.

Teve profeta da geopolítica dizendo que era só histeria ocidental.

O argumento dos favoráveis à Rússia remete ao macho ciumento: a Ucrânia, por ter sido dominada pela Rússia no passado, mesmo tendo se tornado nação soberana, não poderia escolher seus aliados sem autorização do vizinho poderoso. Uma soberania tutelada.

Lei das gangues. A culpa dessa traição ao passado com a Rússia seria da OTAN – que poderia ser extinta – por seduzir a Ucrânia.

O mundo ocidental diz que a Rússia violou o direito internacional e qualquer pessoa pode entender algo dos argumentos apresentados.

Há quem, contudo, sustente o contrário, como se fosse a única verdade sofisticada.

Afinal, a Ucrânia está na zona de influência russa. O inusitado acontece para lembrar que a história nunca entra em greve. O fato de que movimentos contrários aos russos na Ucrânia não sejam flor que se cheire não justifica um ataque. Entre os separatistas também há participação de extrema-direita. A OTAN, no entender de muitos especialistas, é defensiva, não um instrumento de ataque.

A democracia ocidental continua sendo um sistema péssimo, mas ainda não se apresentou outro melhor, pelo menos que a informação tenha circulado e convencido. Churchill resumiu isso em frase célebre.

A paz precária construída depois da Segunda Guerra Mundial também é cheia de defeitos. A Nova Ordem Mundial de Putin não parece melhor.

Sylvie Kaufmann, ex-correspondente do jornal francês Le Monde em Moscou e Washington, sintetizou a situação para leitores do veículo: “A decisão foi tomada pelo presidente Putin. Existe uma estrutura legal validada pelo Conselho da Federação, mas é de fato o Kremlin que toma a decisão. A oposição interna e os espaços de liberdade na Rússia foram reduzidos ano a ano sob o reinado de Vladimir Putin, sendo o exemplo mais marcante o envenenamento e depois a prisão de Alexei Navalny”.

Segundo ela, a Ucrânia pode não ser a única vítima: “A Moldávia também está em uma posição desconfortável, com um governo e presidente pró-europeus e parte de seu território, a Transnístria, ocupada pelos russos. Como a Ucrânia e a Geórgia, não é membro da OTAN e, portanto, a OTAN não é obrigada a intervir em caso de agressão russa”.

O que quer o autocrata russo? Para Sylvie Kauffmann, “claramente, Vladimir Putin está tentando provocar uma mudança de regime em Kiev. Ele quer derrubar o presidente Volodymyr Zelensky e acabar com o regime democrático. Há duas semanas, a imprensa britânica noticiou um plano secreto russo segundo o qual Moscou planejava instalar no poder em Kiev, após uma intervenção militar, um fantoche, na pessoa de um deputado de um partido pró-russo. Em Kiev, essa hipótese não foi levada muito a sério, porque esse personagem não tinha crédito”.

Os ucranianos vão se submeter? “Não, a população ucraniana não aceitaria, seria necessário um nível enorme de repressão. Já se levantou duas vezes desde a independência, em 1991, pode recomeçar”.

Diante de uma invasão total, porém, o que poderão fazer?

O centenário Edgar Morin, que resistiu à ocupação nazista da França, tuitou com a razão de sempre: “A condenação de Putin não deve nos impedir de entender por meio de quais jogos de interações e retroações chegamos ao grau de radicalização que produz desastres”.

Compreender como se chegou lá, na lógica complexa do velho mestre, não quer dizer, porém, que não se deva condenar Putin.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »