política

Pauta-bomba da Sogil: Zaffa reduz tarifa de ônibus municipal a 3,75; ’Portas seguem abertas a alternativas’

Tiremos as crianças birrentas da sala. A redução das tarifas nas linhas municipais de Gravataí de R$ 4,80 para R$ 3,75, anunciada nesta quarta-feira pelo prefeito Luiz Zaffalon (MDB), não acontece apenas pela impalpável ‘vontade política’.

Gravataí pode.

Fez – como usou de mantra o ex-prefeito Marco Alba (MDB) em seus dois governos distintos em popularidade – a ‘lição de casa’, e tem equilíbrio financeiro, seja em dinheiro no caixa ou em capacidade de financiar mais de R$ 1 bi.

Dos R$ 50 milhões recém captados, o que tratei em Gravataí com 50 milhões no bolso: Zaffa prepara ’pacotão’ de investimentos com aprovação de financiamento e municipalização da 030, R$ 35 milhões vão para obras e corredores em vias pelas quais passam os ônibus, melhorando o trânsito e reduzindo o tempo das viagens.

Para além, o secretário da Fazenda Davi Severgnini ‘descobriu’, mesmo que com uma vitória judicial em caráter liminar, garantiu no Orçamento de 2022 até R$ 12 milhões dos royalties do petróleo para o novo programa para o transporte público, como reportei em Zaffa garante ’dinheiro novo’ para Gravataí ter tarifa mais barata da região metropolitana; Conta de 2021 com a Sogil está zerada.

Se no Grande Tribunal das Redes Sociais, e para parte da oposição, o ‘SUS do transporte público’, batizado pela Prefeitura de ‘Pró Coletivo’, ou ‘Pro Coletivo’, como prefere Zaffa, recebe críticas por “dar dinheiro” para Sogil, e só atingir os ônibus branquinhos, é uma alternativa pioneira e um sinal de Gravataí para o Governo do Estado.

Como tratei ontem em ’Pauta-bomba da Sogil’: Leite, assim como Zaffa, vai subsidiar transporte coletivo; Diferente de Gravataí, sem congelamento ou redução de tarifas, se o governador Eduardo Leite (PSDB) vai ‘dar’ R$ 90 milhões para as empresas de ônibus da região metropolitana e grandes conglomerados urbanos do RS, sem contrapartidas nas tarifas, e com dinheiro usado emergencialmente apenas para pagar o 13º dos trabalhadores, Gravataí no primeiro subsídio de R$ 5 milhões em março manteve congeladas as passagens por mais um ano e, com o novo aporte, que pode chegar a R$ 3,6 milhões, reduz a tarifa à mais baixa da região metropolitana.

O anúncio de hoje teve a surpresa de o valor ser ainda mais baixo que os R$ 3,80 inicialmente projetados. Além da tarifa a 1,75 nas linhas municipais, a linha operária caiu para R$ 1,75.

Li internautas reclamando que pouco muda porque ninguém usa as linhas municipais – uma meia verdade, que sempre tem uma metade mais próxima da mentira, já que são mais de 200 mil usuários – e o que pesa no bolso do trabalhador é usar as intermunicipais. Mas aí não é prerrogativa do prefeito, nem que assim quisesse.

Fato é que Gravataí, por meio da Lei Municipal 4.411, aprovada pela maioria dos vereadores, e os votos estão em ’Pauta-bomba da Sogil’: Câmara aprova projeto que fará Gravataí ter tarifa mais baixa da região metropolitana; O gari, o juiz, o estudante e o grito da oposição, Zaffa apresenta um projeto pioneiro que, se der certo, pode pressionar o governo estadual a, mesmo quebrado, apresentar medidas semelhantes.

A ideia de Zaffa, e seu especialista, o secretário de Mobilidade Adão de Castro, é substituir “ciclo vicioso” por “ciclo virtuoso”. Reduzir as tarifas, o tempo das viagens e a qualidade dos ônibus, para competir com carros particulares e aplicativos e aumentar o número de passageiros. Isso diminuiria o IPK, índice de passageiros por quilômetro, baixando o custo e, consequentemente, sustentando o sistema. O que hoje é inviável apenas com o que é arrecadado pelos pagantes.

Para efeitos de comparação, o IPK hoje, nesta tempestade perfeita de pandemia, crise econômica, uberização e diesel 65% mais caro, é de R$ 6,67. Seria este o custo da passagem que Zaffa anunciou a R$ 3,75. Como não existe almoço de graça, a redução só é possível porque a Prefeitura vai bancar as gratuidades, que chegam a 40% dos passageiros.

– O desafio segue válido: se alguém tiver outra alternativa as portas estão abertas – disse Zaffa, no anúncio que você assiste clicando aqui, e repetindo o apelo que fez no Seguinte: em R$ 3,80 em janeiro: Zaffa anuncia tarifa mais baixa da região metropolitana; ’Desafio apresentarem solução sem subsídio’ à Sogil.

Talvez incomodado com as narrativas de que está, mais uma vez, “dando dinheiro” para a Sogil, Zaffa mudou o tom da voz ao informar que a concessionária também terá que se adequar ao novo sistema, cujos custos serão medidos diariamente por software da Prefeitura.

– Como todo negócio, tem risco. A Sogil terá que achar um jeito de, por exemplo, transportar poucos passageiros em localidades como Vira Machado, e que tem esse direito constitucional, com ônibus menores, ou até carros, para diminuir os custos – disse.

O prefeito também reforçou que o subsídio “vai diretamente para o bolso das pessoas”.

– Além do passageiro que economiza R$ 2,10 por dia em viagem de ida e volta, o empregador desonera a folha de pagamento – comparou, já que 7 a cada 10 reais das tarifas são referentes a vale-transporte.

Além de garantir acesso do Conselho Municipal dos Transporte aos dados, Zaffa também prometeu criar um grupo com representação comunitária, e dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público, para garantir transparência “sobre cada real liberado em subsídio”.

– Dos R$ 70 bi de orçamento de São Paulo, 6,5% são direcionados a subsídios para o transporte público. É preciso olhar para o mundo. Gravataí se apresenta hoje como um case nacional – disse.

Ao fim, como tenho argumentado em uma série de artigos, e talvez tenha sido a ‘pauta-bomba’ que mais analisei em 2021, é a realidade que se impõe, o inevitável futebol clube.

Quem paga a passagem é o pobre, é a periferia, que não tem como escolher entre ônibus e uber. Resta aí a obrigação do governante garantir esse direito constitucional, mesmo que lhe renda impopularidade e renda cliques para adversários políticos.

É preciso tirar as crianças da sala para debater sério sobre esse problema atualíssimo. Mesmo apanhando no Grande Tribunal das Redes Sociais, assim como Zaffa sigo esperando alternativas dos adultos; factíveis, caso existam, óbvio.

Resta-nos hoje apostar no Pro Coletivo.

 

LEIA TAMBÉM

’Pauta-bomba da Sogil’: Zaffa e prefeitos pedem socorro a Bolsonaro para evitar colapso no transporte público

’SUS do transporte público’ vai garantir tarifas mais baratas em Gravataí; Como Zaffa desarma a ’pauta-bomba’ da Sogil

Gravataí e Cachoeirinha: estudo mostra ser irreversível subsídio como para Sogil e Transbus

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »