a poesia do cidade

Pai perfumado

Quando meu pai saía do banho

Perfumava a casa

 

De barriguinha cheia de pão caseiro

Eu fazia homúnculos com papel pardo

 

Papel de presente era pele de leopardo

E o amor ainda não tinha sido amassado.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »