moisés mendes

Os militares democratas incomodam

Militares comprometidos com a democracia sempre foram um incômodo dentro das Forças Armadas. Muita gente não sabe que, além dos inimigos civis, a ditadura também perseguiu, cassou e matou militares.

Há bons trabalhos do jornalismo e alguns documentários sobre o assunto. Mas parece pouco, ou bem menos do que o tema merece. Militares também resistiram com bravura à tirania dos que derrubaram Jango.

O relatório final da Comissão Nacional da Verdade, de 2014, indica que 6.591 militares sofreram represálias de todo tipo depois do golpe de 64, incluindo tortura e morte.

Os chefes militares perseguiram subalternos de todas as patentes das três armas e também das polícias militares estaduais e até dos bombeiros.

Militares democratas perderam o trabalho, quando não perderam a vida, porque resistiram ao golpe.

O relatório informa: “Os militares foram perseguidos de várias formas: mediante expulsão ou reforma, sendo seus integrantes instigados a solicitar passagem para a reserva ou aposentadoria; sendo processados, presos arbitrariamente e torturados; quando inocentados, não sendo reintegrados às suas corporações; se reintegrados, sofrendo discriminação no prosseguimento de suas carreiras. Por fim, alguns foram mortos”.

O Brasil não teria sido convivente com os criminosos, todos protegidos pela anistia, se tivesse feito o que Argentina e Chile fizeram, enquadrando, julgando e prendendo assassinos por crimes de lesa humanidade cometidos durante as ditaduras.

Também no Uruguai, mesmo com uma anistia semelhante à brasileira, há um esforço nesse sentido, e muitos torturadores já foram julgados e presos. Cometeram crimes considerados imprescritíveis.

Aqui, o Supremo blindou os criminosos, e o presidente da República elogia torturadores, muitos ainda vivos e todos em liberdade, sem nenhuma incomodação.

Por isso é valiosa, mas ainda é insuficiente, a iniciativa do senador Jaques Wagner (PT-BA), que está pedindo explicações ao ministro da Defesa, Braga Netto, sobre denúncias de perseguições a militares da ativa que seriam filiados ao PT.

A colunista Bela Megale, do Globo, foi a primeira a informar que militares (certamente porque não se alinham à extrema direita) passaram a ser alvos de um Procedimento de Apuração e Transgressão Disciplinar na Força Aérea.

Só porque seriam filiados ao PT. Bela informa que o senador pede explicações a Braga Netto e cita o artigo 142 da Constituição Federal, que proíbe a filiação de militares da ativa a partidos políticos. Mas por que só investigam os ligados ao PT?

Dois pontos dessas apurações causam estranheza entre os quadros da FAB. Um deles é exatamente este: não aparecem procedimentos envolvendo filiações a outros partidos.

A jornalista informa: outra questão é o momento em que a investigação está sendo feita. Algumas das filiações que passaram a ser questionadas estão ativas há mais de 15 anos. Por que só agora?

Jaques Wagner diz que "é uma oportunidade para o Ministério da Defesa esclarecer e afastar qualquer indício de que as Forças Armadas estejam atuando sob orientação política e ideológica, mas sim, orientados pela Constituição”.

Se ninguém fizer nada, poderão perseguir militares como fizeram a partir de 64. Não com cassações, mas com represálias que podem comprometer as carreiras de muita gente.

Há nas Forças Armadas mais gente progressista do que a direita e o fascismo gostariam que existisse.

São contingentes que precisam ser protegidos, mas não só por pedidos de explicação de senadores do PT.

As instituições precisam se mexer, para que o país saiba o que as corregedorias estão fazendo para punir militares considerados de esquerda.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »