3º Neurônio | ideias

Olha pra mim, doutor!

"A medicina sempre foi fonte de boa literatura (Tchekov e Guimarães Rosa). Mas pode a literatura ajudar a medicina?". O Seguinte: reproduz o arrigo do escritor e jornalista Homero Fonseca, publicado pelo GGN

 

Há uns bons anos, fui me consultar com um renomeado otorrino-laringo-etc. Sentei na frente da sumidade. Ele perguntou qual meu problema. Descrevi. Ele pegou o talão de receituário e prescreveu um remédio qualquer. Fez só aquela pergunta inicial. E nenhuma vez levantou a vista para mim. Saí da sala, rasguei a receita e joguei na lixeira. Fui procurar um médico menos afamado, mas que ao menos olhasse para o paciente.

De lá para cá, ouvi muitas histórias semelhantes. E, observando a turma do jaleco em ação, percebi que cada vez mais esse padrão de alheamento – em paralelo à dependência cada vez mais da parafernália tecnológica para diagnosticar qualquer doença, de uma coceira à esclerose lateral amiotrófica.

Comecei a desconfiar de que havia algum problema no ensino médico, somado à mentalidade individualista extrema que grassa em nossa época. Como leigo, não me aventurei a abordar a espinhosa questão. Agora, vejo que – felizmente – profissionais da área andam se preocupando com o assunto e estudos e iniciativas estão em andamento, no Brasil e lá fora.

Aqui mesmo uma jovem psiquiatra – doutora Carla da Fonseca Zambaldi – escreveu um interessantíssimo artigo em que, além de confirmar o diagnóstico, traz uma sugestão surpreendente e inovadora: a de que a literatura pode ser um conhecimento complementar indispensável à boa prática médica. Todos sabemos como a vivência médica contribui para a medicina. Basta pensar em Anton Tchekov e João Guimarães Rosa. Entretanto – confesso – eu não havia pensado antes no caminho inverso.

Dra. Carla Zambaldi – uma mineira com sólido currículo em medicina – também é graduada em letras. Fala, então, com amplo conhecimento de causa.

Em artigo[i] onde a sua tese está sintetizada, ela se pergunta sea literatura poderia ser um recurso para promoção da humanização da medicina. Ao se debruçar no tema para responder à questão, ela constatou:

A modernidade trouxe avanços inimagináveis para o conhecimento médico. Para abarcar a complexidade do progresso das evidências científicas a formação médica tem reforçado e privilegiado o conhecimento científico. O investimento na formação de habilidades humanísticas, de linguagem, comunicação, capacidade de escuta e empatia não se equiparou à formação técnica. Tal desequilíbrio tem mostrado prejuízos na capacidade do médico moderno escutar com atenção, acolher, compreender globalmente e se relacionar adequadamente com seus doentes. Para cuidar de ser humanos, a compreensão de sistemas, patologias, protocolos e técnicas não é suficiente, é preciso sensibilidade, humanidade e visão integral do indivíduo, de sua história e contexto.

Basicamente, a médica-humanista aponta três características da leitura literária que fazem dela uma ferramenta fundamental para a relação médico-paciente: a literatura como fonte de escuta, de empatia e de autorreflexão.

Em relação ao primeiro aspecto, diz dra. Zambaldi:

A escuta médica é essencial ao diagnóstico clínico, ela constrói a relação médico paciente e é terapêutica por si mesma A escuta corre grande risco de não ser efetiva numa relação desigual entre as partes. O médico na postura de mais forte, superior ou detentor do saber, dita as regras e impõe sua verdade, sendo desnecessário ouvir o que o paciente diz. A escuta médica também pode minguar se o médico não tem o hábito de ouvir histórias. Com intuito de familiarizar o médico com narrativas, algumas escolas médicas têm Medicina Narrativa em seus curriculum, outras tem treinamento em habilidades de comunicação, curso de leitura e escrita literária, ou outras formas de utilizar a literatura como recurso de incremento da prática médica.

Sobre a empatia – a capacidade de se colocar no lugar do outro e compreender seu mundo e suas dores – ela destaca estudos científicos ondese constatou que leitores habituais de ficção mostram maiores níveis de empatia e que a leitura pode levar a aumentar essa habilidade. Daí considerar esse sentimento “primordial para a prática médica”. Diz ela:

Foi observado que leitores habituais de ficção mostram maiores níveis de empatia e que a promoção da leitura pode levar a aumento desta habilidade. (…) Ao abrir um livro o leitor se dispõe a perceber a vivência do personagem, a se emocionar, se projetar, se identificar e compreender uma nova realidade. A leitura literária permite exercitar a capacidade de se sentir na pele de outro, de se deixar tocar e sentir o que o outro sente, de se imaginar em seu lugar e de fazer inferências mentais e prever pensamentos e ações. O leitor, na leitura ficcional, é levado à identificação, imaginação e percepção de outras vivências e perspectivas.

Quanto à autorreflexão, explica a psiquiatra:

A literatura pode promover momentos de reflexão, insight, autoconsciência, ampliando pontos de vistas e ensinando a ter pensamento crítico. A complexidade do texto literário, fator que exige disposição e empenho para a compreensão, o tempo contemplativo que se passa na leitura literária e o efeito da desfamiliarização são fatores favoráveis à promoção da autorreflexão.

E arremata:

A autorreflexão é indispensável para o médico perceber a si mesmo, sua prática clínica, sua conduta moral diante dos dilemas, o sentido de seu trabalho, a identidade médica e o papel da medicina nos tempos atuais.

Por fim, dra. Carla Zalbaldi cita pesquisas e experiências, inclusive o surgimento da categoria Medicina Narrativa, como avanços na direção de uma relação médico-paciente mais humanística.

Nem tudo está perdido, camaradas. Lutemos por um novo Iluminismo para os desafios tremendos destes novos tempos.

 

[i] “A literatura e a medicina – A literatura como fonte de escuta, empatia e autorreflexão”. Medica Review – International Medical Humanities Review – Revista Internacional de Humanidades Médicaswww.journals.gkacademics.com/revMEDICA/issue/view/231

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »