moisés mendes

O bem contra o mal

O mais novo resumo do que nos espera na eleição deste ano é o que fala do bem contra o mal. É a nova fala de Bolsonaro.

Foi dita na festa de lançamento da sua pré-candidatura, em Brasília, e três dias depois numa cavalgada no Rio Grande do Norte.

Nada mais contra a vacina, porque o povo quer se vacinar, mas estocadas forte no Supremo e nas urnas, que fazem parte do mal.

O que importa é convencer as pessoas de que a eleição é um duelo de gente que está com Deus contra os outros que estão com o diabo.

É a política rasa, com pretensões bíblicas, do mal que se disfarça para enganar quem quer ser enganado.

A extrema direita simplifica ainda mais o que já estava simplificado. É a tática consagrada do fascismo. Sintetizar em poucas palavras o que deve ser entendido pela maioria.

O bem contra o mal é a grande obra de Bolsonaro. Um governante incapaz de compreender questões minimamente complexas recorre a um esquema batido para reconquistar fiéis.

Em artigo recente no Estadão, o professor Eugenio Bucci, um dos mais respeitados pensadores da comunicação no Brasil, reflete sobre as simplificações que conquistam corações e mentes.

Bucci cita a jornalista americana Margaret Sullivan, estudiosa das mídias, para dizer que o truque usado por Bolsonaro e Trump – mais o turco Recep Ergodan, o húngaro Viktor Orbánm, o russo Vladimir Putin, o bielorusso Aleksandr Lukashenko e outros assemelhados – é o da síntese destruidora.

O que eles fazem é convencer as pessoas a não acreditarem em mais nada e mais ninguém, em instituições, autoridades, Congresso, Justiça, ciência, arte, educação, nada do que foi dado até aqui como civilizatório.

O que eles querem conquistar e dominar é o que Bucci define como “corações selvagens e mentes turvas”.

Bolsonaro e sua turma precisam dizer o que as pessoas em situação desconfortável ou em desalento querem ouvir. E mentem, mentem muito. E as pessoas que os escutam sabem que eles estão mentindo.

Mentem não só para os que não têm acesso à informação que os oriente. Também mentem não só aos iludidos por ignorâncias.

Mentem para a classe média que não conseguiu encarar a convivência com classes sociais ascendentes. Mentem para os ricos, os discriminadores, os racistas.

Eles precisam do apoio do que Bucci define como “falanges ressentidas”. Semear o descrédito é o que importa, desde que o disseminador de ódios, mentiras e difamações seja visto como o homem consagrado a enfrentar o que deve ser destruído. Por isso Bolsonaro se apresenta como o bem contra o mal.

A extrema direita descobriu como se comunicar com esse público, aperfeiçoando descobertas antigas. Assim, o fascismo não precisa mais de déspotas esclarecidos para se manter no poder.

Basta um Bolsonaro e mais Mamãe Falei, Kataguiri, deputado Daniel Silveira, blogueiro Allan dos Santos, Carluxo e outros, e os destruidores têm quadros suficientes para impor o que pensam no mundo real e virtual.

Sempre com o suporte do poder militar e, se possível, de um centrão vendilhão. E mesmo que uns e outros, como Kataguiri, sejam hoje dissidentes da turma original. Eles são da extrema direita.

Com o bem contra o mal, Bolsonaro promete o que está na síntese desse apelo: só ele pode destruir tudo o que não presta ou não interessa ou não serve mais. E oferecer algo em troca, mesmo que não seja nada.

Bolsonaro vai continuar batendo no Supremo, no Tribunal Superior Eleitoral e nas urnas eletrônicas, porque esses são os alvos decisivos para a tática da destruição.

Líder da retórica antissistema, o sujeito que ergue desconfianças e discórdias vai em frente porque pelo menos um terço da população acredita nele.

Quando este artigo estava sendo escrito, anunciava-se que o destruidor ordenara ao Ministério da Saúde a decretação oficial do fim da pandemia.

Os epidemiologistas e todos os especialistas da área dizem que não é a hora. Mas, se Bolsonaro determinar que a pandemia acabou, seus seguidores saberão que ele está mentindo, mas não é isso o que importa.

O que interessa é que ele corresponde às expectativas de quem prefere acreditar, sendo ou não religioso, que há um homem bom contra homens maus. Esse homem sabe quando a pandemia acaba. Mesmo como mentira.

Andando a cavalo no Rio Grande do Norte, o pregador disse:

“Cada vez mais a população entende quem está do lado do bem e quem está do lado do mal. Não é de esquerda contra direita, é de bem contra o mal. E o bem sempre venceu. E o bem vencerá. O bem está ao lado da maioria da população brasileira”.

Hoje, segundo as pesquisas, a maioria não estaria ao lado de Bolsonaro, o que complica sua tese. Mas as pessoas que acreditam em Bolsonaro não querem acreditar em pesquisas.

Muitos nem acreditam na existência de Deus ou do demônio e sabem que essa conversa de bem e do mal é a maior de todas as mentiras. Mas é o que querem ouvir e o que os consola ao lado de muitas outras mentiras.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »