política

Novo escândalo de Cachoeirinha tem até ameaças de morte; Maurício Medeiros nega corrupção: ’É retaliação de secretária demitida’

O prefeito em exercício Maurício Medeiros (MDB) considerou retaliação à demissão as denúncias feitas pela ex-secretária de Modernização Administrativa e Gestão de Pessoas, Aline Mello, que disse ter deixado o governo por receber ameaças de morte ao alertar para contratações suspeitas em curso na Prefeitura de Cachoeirinha, como revelou o site O Repórter em Secretária é ameaçada de morte e se demite da Prefeitura de Cachoeirinha.

– O tempo é o senhor da razão. Não há corrupção ou qualquer irregularidade nas licitações. A secretária não saiu em licença saúde, ela foi exonerada na sexta-feira por questões políticas e, como represália, fez essas denúncias infundadas – disse Maurício ao Seguinte:, na manhã desta terça-feira.

A principal denúncia da ex-secretária, que registrou ocorrência policial por ter recebido duas ligações ameaçadoras de números privados, e disse ao jornalista Roque Lopes que vai entregar documentos no Ministério Público, envolve contrato emergencial de R$ 3 milhões por 180 dias para a limpeza urbana, que está em curso durante o processo de licitação pública para o mesmo serviço.

A notícia, que também tinha sido publicada pelo site e aparece em links anexos na reportagem que citei acima, caiu como uma bomba no meio político, já que o prefeito Miki Breier está afastado pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça desde 30 de setembro de 2021, e por mais 180 dias, apontado pelo Ministério Público, nas operações Proximidade e Ousadia, como chefe de uma organização criminosa que fraudava contratos do setor.

– Abrimos um processo de contratação emergencial apenas para o caso de a licitação ser impugnada. Não podemos correr o risco de Cachoeirinha ficar sem os serviços, com lixo na rua. Não há nada irregular. Comunicamos o Tribunal de Contas do Estado (TCE) – garante o prefeito em exercício.

– Sobre as ameaças de morte é a secretária quem tem que provar, mostrar o celular dela – concluiu.

Fato é que Aline Mello tem credibilidade de mais de uma década na política de Cachoeirinha e é filha do veterano vereador Deoclécio Mello. Suas denúncias são gravíssimas – recomendo a leitura das reportagens de O Repórter – e devem ser investigadas.

Observando pelo viés político, antecipei ainda em novembro do ano passado que Maurício seria o próximo alvo, em Vaza Cachoeirinha: Impeachment de Miki ameaça Maurício Medeiros; O filho de calcinha, a ditadura e a galera.

Escrevi: “Melhor para Maurício é ter Miki, hoje um cadáver político, como seu espantalho para espantar aves de rapina. Experiente, já deve calcular que os mesmos 12 votos para impichar Miki também podem cassá-lo. Por vezes, proximidades à parte, vereadores de 'governo' e 'oposição' se misturam (…) Com a cassação de prefeito e vice até o fim de 2022 teríamos nova eleição. Há muitos grupos políticos e econômicos interessados em tomar a Prefeitura de assalto. Se Miki cair, a fila anda…”.

Ao fim, obrigo-me a repetir mais uma vez: pobre Cachoeirinha!

Seja Miki, Maurício ou um novo prefeito, se as relações políticas municipais não avançarem para um mínimo republicanismo, restará um refém em cativeiro Prefeitura.

E a imagem de uma cidade de bandidos, onde política e polícia se confundem.

 

LEIA TAMBÉM

É absurda cassação de Miki e Maurício pelo TRE

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »