moisés mendes

Não há encenação. Este é o verdadeiro Bolsonaro

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, acabou com o debate que divertia muita gente em torno da validade ou não de divulgar o vídeo em que Bolsonaro come um espetinho de frango e derruba farofa nas calças e no chão.

Muita gente duelou durante todo o domingo, quando Faria publicou o vídeo, até a tarde de segunda. As bolhas afundaram na dúvida: compartilha ou não o vídeo?

Mas na segunda o ministro se meteu na brincadeira e tirou o vídeo das suas redes, porque descobriram no Planalto, tardiamente, que havia sido uma farofada contra.

Para parte das esquerdas, o vídeo ajudava Bolsonaro. Quem compartilhou o vídeo estaria ajudando o sujeito e ficar ainda mais com cara de povo.

É um argumento que não para de pé. Um vídeo grotesco, que o próprio governo decidiu apagar, não ajuda Bolsonaro. Não tem essa conversa de que falem mal de mim, mas falem.

A classe média já traumatizada pelo apoio a Bolsonaro em 2018, e cada vez mais convencida de que o ogro não deveria continuar no governo, não queria ver a cena classificada com hashtag #Bolsonaroporco.

E o povo? O povo que está com o bolsonarismo quer ver Bolsonaro comendo picanha de R$ 1.800, como ele fazia até bem pouco tempo. O povo não quer ver seu ídolo comendo frango daquele jeito.

O que fica da cena é que o fascismo não consegue mais calibrar suas falas e atitudes. Alguém diz para Bolsonaro comer o frango bem à vontade, o homem exagera e derruba a farofa, o Carluxo filma, o ministro joga nas redes, o vídeo viraliza e daí?

A próxima imagem, nessa linha, como evolução do marketing do bizarro, pode ser a de Bolsonaro defecando.

Bolsonaro se esforça para manter o apoio dos 20% que aparecem nas pesquisas como sua base mais fiel. E quer, a partir desses 20%, reproduzir o truque de 2018, atraindo a classe média que se agarra em arame farpado para fugir de Lula.

Bolsonaro está certo de que a idiotia da classe média, e não do povão, vai reelegê-lo, e por isso se lambuza comendo frango daquele jeito. Bolsonaro faz filminho para o tiozão do zap e a tia do Instagram.

É a classe média, e não o povo, que ainda dá suporte eleitoral ao Bolsonaro da farofa derramada. Bolsonaro é essa figura grotesca porque a classe média tapa o nariz e o aceita desse jeito como gambiarra.

O problema é que a cena da farofa pode ter passado do ponto. Não é o pastel na feira ou a pizza na rua em Nova York. O frango com farofa pode ser, na verdade, o Bolsonaro mais autêntico.

O Bolsonaro verdadeiro, o que vai fundo para tentar se manter no segundo turno, é esse aí. Mas tem a pergunta inevitável: por que nunca haviam filmado essa cena antes? Ora, porque pizza, pastel e pamonha não têm farofa.

A farofa é a cereja que adorna a imagem genuína de Bolsonaro. Pena que tenha sido censurada nas redes sociais do ministro.

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »