nossa história

Monumento a História de Gravataí: livro de Agostinho Martha será lançado hoje

Após mais de meio século, o lendário livro “Nossa Terra, Nossa Gente: A história de Gravataí (1730-1950)”, de Agostinho Martha e Marco Bandeira Martha, será lançado nesta terça-feira, 20h, em evento reservado na Casa do Açores.

– É um monumento da história da Aldeia dos Anjos e do Rio Grande do Sul – descreve o historiador Amon Costa, com autorização da família editor do livro ao lado de Julinho Barbosa e a esposa Angela Maria Fonseca Barbosa dos Santos, e do jornalista Leandro Nazari.

Agostinho Martha, gravataiense nascido em 28 de agosto de 1914 e falecido em 17 de abril de 1991 começa a epopeia em 1730 e termina em 1950, com a eleição democrática do primeiro prefeito, José Link. A obra tem os capítulos permeados por ‘quadrinhas’, uma espécie de trova, onde o autor transforma personagens, documentos e histórias em versos.

Conforme os editores, a pesquisa de Agostinho reconfigura a história de Gravataí, com documentos que mudariam o aniversário da cidade para 29 de dezembro 1769, não aderindo ao antigo 8 de abril de 1763 ou ao atual 23 outubro 1880. Além de jornadas arqueológicas aos primeiros moinhos onde hoje é a Freeway, há referências à construção da Igreja Matriz e a nomenclaturas de ruas e localidades, como Morungava, que era conhecido como Recanto dos Butiás.

A partir de documentos da Curia do Rio de Janeiro e cartas dos primeiros tropeiros lagunenses, a pesquisa de Agostinho abre o debate sobre a história gaúcha das sesmarias, ao provar que Gravataí, 30 anos de Porto Alegre, e da chegada dos índios missioneiros, já tinha fazendeiros açorianos criando gado e plantando trigo e mandioca.

A vastidão do material motivou a escrita do prefácio por Vera Lucia Maciel Barroso, do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, e uma das maiores pesquisadoras brasileiras da cultura açoriana, autora de Açorianos no Brasil.

– É o sonho da família – conta Angela Maria Fonseca Barbosa dos Santos, que é da terceira geração de guardiãs da história de Gravataí.

A pedagoga é filha de Antoninho Fonseca, que era o melhor amigo de Agostinho, e neta de Ernesto Fonseca, criador do jornal “O Gravataiense”, de quem foi herdado parte do material compilado nos manuscritos originais.

– Andavam sempre juntos, trocando pesquisas sobre nossa história – recorda, sobre uma amizade que a história de Gravataí registra, com Agostinho como nome do Museu, cujo Arquivo Histórico é batizado como Antoninho Fonseca.

– A família vai nos presentear com a arrecadação do livro para publicarmos uma obra complementar, só com fotos históricas – antecipa Julinho Barbosa, conhecido ‘retratista’ da aldeia, sobre a primeira tiragem ao preço de R$ 69,90.

– É um presente que a família deu a nós e a Gravataí – diz Leandro Nazari, que criou a capa, que é um cartão de visitas da obra.

A foto inédita, de 1907, aplicada em tons de terra, mostra Agostinho na primeira Festa do Divino Espírito Santo, no local onde hoje está um postal de Gravataí, o Colégio Dom Feliciano.

– É possível ver a negritude participando, compondo a banda, em uma época de segregação, que era esquecida na Festa do Divino – observa Amon, que lembra ter sido o pesquisador “um democrata”.

 

: Agostinho na Itália, combatendo pela FEB na Segunda Guerra Mundial

 

Para falar sobre o livro, e lembrar do ímpar Agostinho, o Seguinte: reuniu ao grupo de editores ao jornalista Roberto Gomes de Gomes, nosso editor e que, a partir de 1983, teve o pesquisador como primeiro colunista de seu jornal, o Correio de Gravataí. A coluna tinha o nome que agora leva o livro, “Nossa Terra, Nossa Gente”.

– Fui o primeiro a digitar os manuscritos, em 83, numa máquina de escrever Gepeto Composer – conta RGG.

– Ao ler, o falecido jornalista Celito de Grandi me disse desconhecer qualquer cidade do Rio Grande do Sul, e talvez do Brasil, que tenha registro histórico dessa grandeza, seja pela pesquisa, como pela qualidade de texto – atesta, afirmando ser Agostinho Bandeira Martha “o maior intelectual e personagem mais importante da história moderna de Gravataí”.

Siga o bate-papo, que aconteceu dia 12, e o Seguinte: reportou em Nossa Terra, Nossa Gente, de Agostinho Martha: Livro mais importante da história de Gravataí será lançado após mais de meio século, na casa de Julinho e Angela, com Amon e Roberto, na mesa onde Agostinho sentava com o amigo Antoninho.

 

Clique para assistir

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »