reportagem especial

Minibarragens: solução emergencial para evitar falta de água em Gravataí no verão

A perspectiva para o verão indica que, mais uma vez, não será bom negócio depender de São Pedro para garantir o abastecimento de pelo menos 1 milhão de pessoas na bacia hidrográfica do Rio Gravataí. Diante deste quadro, o presidente do Comitê de Gerenciamento da Bacia do Gravataí, Sérgio Cardoso, sugere que a Corsan invista em minibarramentos provisórios, com pedras, ao longo do rio, para regularizar minimamente a vazão durante os meses mais críticos do próximo verão. A estimativa é de que cada estrutura custaria menos de R$ 50 mil. A estatal, por enquanto, não inclui as estruturas entre os investimentos para o verão.

Conforme o boletim especial da Sala de Situação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), as chuvas nos próximos meses serão irregulares e insuficientes para a recarga hídrica do rio, que já está em situação de declínio, e o que é pior, para o verão a previsão é do fenômeno La Niña, ou seja, com estiagem.

– O abastecimento público é prioritário. A solução dos minibarramentos ao longo do rio já foi aprovada e projetada pela Metroplan, mas para as obras definitivas saírem do papel, ainda dependemos de toda uma burocracia da política pública. Não podemos deixar a população sem água, e temos aqui na bacia uma companhia com capacidade de investimento e interesse em garantir o abastecimento – diz Cardoso.

 

Metroplan propõe minibarramentos

 

Ele refere-se aos estudos concluídos ainda em 2018, depois de três anos de estudos, pela Metroplan como parte do PAC da Prevenção a Cheias e Secas entre as bacias dos rios Gravataí e dos Sinos. A conclusão à época foi de que, para que o rio recuperasse a sua capacidade de reter água na região das nascentes durante o inverno e de liberar no fluxo adequado nos meses de seca, sem provocar maiores danos ambientais, seriam necessários 13 minibarramentos de nível entre o Banhado Grande, o Passo dos Negros e a Lagoa da Anastácia.

Foram dois anos para que o governo federal finalmente, em setembro do ano passado, liberasse a abertura da licitação para definir a empresa responsável pelo Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima) das obras, com prazo de até um ano para a conclusão. Em maio deste ano, a empresa Ecossis Soluções Ambientais venceu o processo licitatório, e executará o estudo por R$ 400 mil (60% inferior ao que era estimado pela Metroplan). O objetivo do EIA-Rima será apontar os impactos à fauna, à flora e às propriedades ao longo dos trechos dos minibarramentos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Metroplan, o contrato já foi assinado, no entanto, até agora não houve a liberação dos recursos pela Caixa Econômica Federal para início dos estudos, e não há prazo para que isso aconteça. Significa que, pelo menos até meados de 2022, não será possível dar início às obras propostas pela Metroplan. Ao todo, o PAC tem previstos até R$ 15 milhões para as fases de estudos e projetos de engenharia. Até agora, pouco mais de R$ 5 milhões já foram investidos.

– O que estamos propondo é uma solução provisória, ecologicamente viável, com pedras, e que poderia ser executada no curto prazo para reduzir os danos para toda a população e para a gestão da água na nossa região neste verão – aponta o presidente do Comitê.

 

Experiência funciona em Glorinha

 

Em março deste ano, a Sema autorizou, com aprovação do Comitê Gravataí, que fosse executada a primeira experiência com uma barragem de nível ao longo do canal do Rio Gravataí, na Fazenda Quatro Irmãos, em Glorinha. A obra, custeada pelos proprietários rurais, teve custos de engenharia, de transporte e colocação das pedras, e foi erguida em três meses.

Para que se tenha uma ideia, entre os dias 9 e 10 de agosto, quando houve o último volume de chuva naquela altura do rio, em menos de um dia o nível da água medido na Fazenda Quatro Irmãos subiu 6 centímetros em menos de um dia, e só voltou aos níveis anteriores à chuva três dias depois. No trecho mais abaixo do rio, no Passo das Canoas, onde a Corsan faz a captação de água e não há barramentos, neste mesmo intervalo de dias, a redução do nível do rio chegou a mais de 20 centímetros, em média.

– Ainda aguardamos estudos históricos, com dados de anos anteriores, para avaliarmos concretamente a consequência do minibarramento na Fazenda Quatro Irmãos. Mas, com o que já temos observado, aquela estrutura está ajudando muito. O rio está em um momento de declínio, que poderia ser muito mais acelerado se não tivesse sido erguido aquele minibarramento – diz Cardoso.

 

: Minibarramento na Fazenda Quatro Irmãos, em Glorinha, serve de exemplo para Sérgio Cardoso

 

Corsan investe, mas não ataca a seca no rio

 

De acordo com a assessoria de imprensa da Corsan, na lista de investimentos a serem concretizados nos próximos meses na região e que devem entrar em operação até o verão estão duas novas adutoras – uma em Gravataí e outra em Cachoeirinha – e um novo reservatório no bairro Morada do Vale I, em Gravataí.

Em relação a melhorias na captação de água no Rio Gravataí, a estatal informa que duas novas balsas, que permitem a retirada de água em áreas mais profundas do canal, estão em operação.

No entanto, até o momento, a Corsan não tem em seu cronograma qualquer investimento previsto para lidar com uma possível insuficiência de água para o abastecimento.

 

Para recuperar o efeito esponja do banhado

 

A região de banhados nas nascentes do Rio Gravataí começou a perder sua capacidade de funcionar como uma esponja (retendo água no período de cheias e liberando no período de secas) no final da década de 1960, quando foi aberto o canal do DNOS, cortando o terreno úmido e transformando o trecho alto do rio em uma espécie de ralo por onde a água desce rapidamente no verão.

Durante alguns anos o movimento ambientalista da região defendeu a construção de uma grande barragem, que alagaria áreas ao redor do canal e provocaria maiores impactos ambientais. Os minibarramentos, cada um deles com um nível maior para recuperar aos poucos a forma original da mata ciliar e do terreno alagadiço, são recomendados pelos especialistas da Metroplan como obras com danos reduzidos ao meio ambiente.

Nos últimos anos, a cada verão é firmado um acordo, aprovado pelo Comitê Gravataí e mediado pela Fepam, entre usuários da água do Rio Gravataí. O entendimento é de que, quando o manancial atinge um nível crítico, a prioridade é do abastecimento público, forçando a interrupção de captações para a agricultura e indústrias.

– Estamos em fase de conclusão dos processos de regularização de outorga, que é a autorização para uso da água do rio pelo Estado. Mas qual será a serventia desta ferramenta de gestão se não tivermos água? – questiona o presidente do Comitê.

O prazo para que usuários de água do Rio Gravataí regularizem as solicitações de outorga pelo Sistema de Outorga de Água do Rio Grande do Sul (SIOUT-RS) para retirada de água superficial encerra daqui a dois meses. Na última semana, o Comitê Gravataí iniciou as discussões para um novo acordo entre usuários a ser colocado em prática no próximo verão.

 

LEIA TAMBÉM

50 elefantes no Rio Gravataí: o ’tapete verde’, infelizmente, não é surpresa

O plano que mexe com a água e muda sua vida na região do Rio Gravataí

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »