crise do coronavírus

Líder da vacina, Gravataí começa a aplicar terceira dose contra covid; A noite escura dos pobres e as estrelas da noite

Líder no ranking da vacinação contra a covid entre as 10 maiores cidades gaúchas, Gravataí inicia na tarde desta segunda-feira a aplicação da terceira dose em idosos residentes nas ILPIs, as instituições de longa permanência de idosos.

Conforme o secretário da Saúde Régis Fonseca a Prefeitura já temk 714 doses disponíveis de Pfizer e segue definição de público-alvo da CIB/RS, a Comissão Intergestores Bipartite.

Conforme calendário do Ministério da Saúde, a prioridade é para idosos com mais de 70 anos e pessoas com baixa imunidade, o chamado grupo dos imunossuprimidos, que inclui por exemplo, pessoas com câncer, pessoas vivendo com HIV, transplantados e outros com o sistema imune fragilizado, o que deixa o paciente mais suscetíveis a infecções.

As vacinas usadas na dose de reforço são preferencialmente Pfizer, mas também é estudado uso de AstraZeneca e Janssen.

O reforço vale para quem tomou qualquer vacina usada na campanha de vacinação.

A indicação de terceira dose é para os idosos que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses. No caso dos imunossuprimidos, eles devem esperar 28 dias após a segunda dose.

Clique aqui para acompanhar diariamente as informações sobre a vacinação contra a covid.

 

Siga o ranking da vacinação e, abaixo, concluo.

 

Sigo.

Não se trata de achar problema em solução, mas o avanço da terceira dose para além dos idosos acima de 70 anos e dos imunossuprimidos coloca o mundo frente a um dilema moral.

A cientista que liderou a criação do imunizante de Oxford contra covid disse ao G1 que vacinar todas as pessoas com doses de reforço é desnecessário.

A professora Sarah Gilbert entende que alguns grupos vulneráveis de pessoas precisam de reforços, mas que na maioria dos casos a imunidade está "durando bastante".

Ela também fez um apelo para que as doses sejam enviadas para países necessitados.

O Brasil chega a setembro em 66º lugar no ranking global de aplicação de doses da vacina contra covid, na relação a cada 100 habitantes.

Entre os países que compõem o G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, o país está em 12º.

Segundo os dados atualizados pela Agência CNN, o Brasil aparece com 84,07 doses aplicadas a cada 100 habitantes.

O Canadá ultrapassou o Reino Unido e segue na liderança da lista, com 138,78 doses na relação a cada 100 pessoas. A China tem 135,27. Os Estados Unidos estão em sétimo lugar, com 108,44.

Um dos piores do mundo e com pouco acesso a vacinas, o Haiti, por exemplo, tem 0.4 vacinados a cada 100.

Ao fim, não é uma escolha ao alcance do Régis, ou do prefeito Luiz Zaffalon, aos quais reforço os parabéns pela eficácia na vacinação, mas serve para refletirmos sobre as desigualdades do mundo.

Lembra-me uma frase de Dom Pedro Casaldáliga, autor da célebre “na dúvida fique ao lado dos pobres”:

– Só vivendo a noite escura dos pobres, é possível viver o Dia de Deus. As estrelas só se veem de noite.

 

LEIA TAMBÉM

A ’ideologia da ciência’: por que vacina funciona em Gravataí; Aviso aos covidiotas, a média de infectados caiu de 12.7 para 11.7

Como está atendimento à covid 10 dias após fechamento do Hospital de Campanha de Gravataí

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »