política

Impeachment, TRE, Miki e Maurício: a corrida pela cassação em Cachoeirinha; ’Corrompa-se ainda bem jovem, ou…’

Com a troca na composição da comissão processante, ordenada pelo Tribunal de Justiça, recomeçou a corrida pelo impeachment de Miki Breier (PSB) pela Câmara de Cachoeirinha. O novo relator Nelson Martini (PTB) anunciou em sessão hoje que vai apresentar seu parecer ‘relâmpago’ em 24h, nesta sexta-feira.

Como a decisão da corte estadual retroagiu os prazos até o sorteio da comissão, restariam 15 dias para ouvir depoimentos de testemunhas de acusação e defesa, do prefeito afastado, possivelmente do vice e prefeito em exercício Maurício Medeiros (MDB), além da elaboração de relatório final que precisa ser aprovado por 12 dos 17 vereadores para confirmar a cassação.

Insisto, como o fiz pela última vez em Sob ’velório político’, Miki tem vitória judicial; Um minuto de silêncio para o impeachment que está morto: não há tempo para cumprir legalmente o que prevê o Decreto 201, do ditador Castelo Branco, que regulamenta os processos de cassação.

A defesa de Miki vai usar os artifícios necessários para contestar os ritos relâmpagos, usar os prazos legais e levar ao arquivamento do processo.

Fato é que a comissão processante não tem como correr mais do que o julgamento de Miki e Maurício pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) na próxima terça-feira.

Cassada a chapa, o impeachment perde o objeto da ação e se extingue. Não haveria como cassar Miki duas vezes.

O julgamento recomeça às 14h com dois votos a favor da cassação da chapa e a realização de novas eleições, além de tornar Miki inelegível por 8 anos, poupando Maurício, que poderia concorrer no pleito suplementar que deve ser marcado em até 90 dias, enquanto o presidente da Câmara, Cristian Wasem (MDB) assume como prefeito.

O afastamento de prefeito e vice reeleitos em 2020 é imediato pelo TRE, mesmo que restem recursos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

 

LEIA TAMBÉM

TRE adia decisão após relator votar por nova eleição em Cachoeirinha; Inelegibilidade atingiria Miki e não Maurício

 

Ao fim, a cidade resta parada. Enquanto grupos políticos e econômicos, e facções criminosas, articulam-se para tomar – ou retomar – a Prefeitura de assalto, o povo espera lá no fim da fila, aguardando os próximos vendedores de esperança.

Esse contágio, essa imagem que fica de cidade de bandidos, onde política e polícia se misturam, lembra-me uma de 1981, do Millôr: “Corrompa-se enquanto ainda é bem jovem. Senão vai se arrepender, como eu, que já perdi a oportunidade. Hoje teria que aguentar todo mundo comentando: “Mas até o Millôr!”.

Pobre Cachoeirinha!

 

LEIA TAMBÉM

A política de Cachoeirinha está na m.!

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »