golpe

Idoso de Viamão que ganhou 10 milhões na Mega só tem 2 centavos na conta

Em 3 de abril de 2018, Fredolino José Pereira juntou latinhas de cerveja nas ruas de Viamão e vendeu em uma reciclagem. Ganhou R$ 13. Desses, usou R$ 7 para fazer duas apostas na Mega-Sena. Ganhou R$ 10 milhões. Hoje tem dois centavos na conta.

O idoso foi vítima de um golpe, revelado pelo jornalista Jonas Campos no G1, na reportagem “Ganhador de R$ 10 milhões na Mega-Sena é vítima de golpe e perde dinheiro em Viamão; polícia investiga – Ganhador do principal prêmio em 2018 diz que foi enganado pelo sócio no negócio que abriram juntos. Delegado apurou que valores foram retirados e apenas dois centavos sobraram na conta”.

Clique aqui para assistir.

O Seguinte: reproduz a matéria abaixo.

 

“…

Há quatro anos, um idoso de 71 anos acertou as seis dezenas da Mega-Sena e recebeu um prêmio de mais de R$ 10 milhões. Anos depois, ele se diz vítima de um golpe de um ex-sócio em uma funerária de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e alega que perdeu todo o dinheiro — o que motivou a Polícia Civil a investigar o caso.

“No último levantamento bancário nosso, ela tem só dois centavos. Tudo que ele ganhou na Mega-Sena foi retirado”, disse o delegado Juliano Ferreira.

Entenda

Em 3 de abril de 2018, Fredolino José Pereira juntou latinhas de cerveja na rua e vendeu em uma reciclagem. Ganhou R$ 13. Desses, usou R$ 7 para fazer duas apostas na Mega-Sena.

No dia seguinte (4), ele se tornou um dos novos milionários do Brasil. Ganhou R$ 10.251.126,97.

O idoso lembra até hoje que jogou nos números 7, 11, 24, 36, 42 e 58. E quase não acreditou quando foi conferir o resultado.

“Peguei o papelzinho e fui para a [casa] lotérica, me fiz de doidão, tapadão. Sabia que era eu. Aí veio a guria: ‘O senhor quer uma ajuda?’. Disse: ‘Não, não, parece que tem um ganhador em Viamão’. Ela pegou o papel e olhou: ‘Mas foi tu mesmo o ganhador’. Aí ela perguntou para mim quanto eu achava que tinha ganhado: ‘Uns R$ 2 milhões, é o que eu queria’. Ela respondeu: ‘Não, tu tens R$ 10,25 milhões”, recorda.

A história que deveria ter transformado a vida do homem logo virou caso de polícia. Fredolino diz que foi enganado pelo sócio com quem investiu parte do dinheiro e comprou uma funerária em Viamão.

“A partir da aquisição dessa funerária começaram os golpes e os furtos praticados contra a vítima. Imediatamente, logo depois da compra, com a justificativa de pagar funcionários, [o suspeito] pediu o cartão bancário da vítima e a partir dali não devolveu mais, começou a fazer sucessivos saques”, informa o delegado.

Contrato com funerária

A investigação tenta esclarecer como o então sócio do idoso conseguiu adquirir um sítio e uma frota de 10 veículos.

A polícia já descobriu indícios de falsificação nos contratos pelos quais o ex-milionário foi excluído da sociedade na funerária. Quatro pessoas são investigadas e não tiveram os nomes revelados.

“Uma associação criminosa, com crimes de lavagem de dinheiro, de estelionato, furto, apropriação indébita e tudo mais”, diz o delegado.

Os agentes fizeram buscas na funerária e na casa dos investigados. Um deles chegou a ser preso por porte ilegal de arma.

Enquanto isso, Fredolino tenta recuperar na Justiça a fortuna perdida.

“Meu erro foi acreditar em quem não tinha possibilidade de eu ter dado a confiança que eu dei para ele. Fui enganado totalmente”, lamenta.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »