3º Neurônio | homenagem

Homenagem gráfica ao cronista do Brasil

Em uma festa de traço, tinta e admiração explícita, 85 talentosos desenhistas de humor e artistas visuais retrataram Luis Fernando Verissimo em caricaturas, ilustrações, charges. Por três dias, uma pracinha da capital gaúcha virou galeria de arte ao ar livre, com dimensão à altura dos grandes salões de humor. E tudo em homenagem ao inspiradíssimo autor de mais de 80 livros e várias séries adaptadas para a tevê.

Esta potente exposição resultou do esmerado garimpo do seu curador, Guaraci Fraga, que já coletava desenhos sobre LFV. Humorista, próximo do homenageado desde 1973 e amigo de caricaturistas, cartunistas, chargistas, quadrinistas, ilustradores e artistas visuais, Fraga convidou desde os mais famosos até alguns não tão conhecidos. Obteve adesão imediata de profissionais e amadores, que se sentiram honrados em participar

Na mostra, LFV não estava sozinho: O Analista de BagéEd Mort, a Velhinha de Taubaté, a Família Brasil As Cobras posaram ao lado do criador na representação caricata. E não podiam faltar os onipresentes saxofone e máquina de escrever, além da sua postura discreta e reservada.

Com estilo único de humor, o escritor, roteirista de tevê, quadrinista, autor de teatro, músico, pai de família, gourmet, fanático pelo Inter e queridíssimo cronista do Brasil teve sua pluralidade traduzida com graça. Revisor de jornal e até astrólogo interino, assim ingressou na Zero Hora, em 1967. Lá, brilhou por décadas, até ser demitido em 2017. Colunista do Extra Classe desde a primeira edição, há 25 anos, é um dos orgulhos do jornal.

 

Elenco plural

 

Arte: Cláudio Souza

 

Pela envergadura da homenagem, o evento uniu um elenco nunca antes reunido, a partir de mestres da caricatura brasileira, como Baptistão, Cau Gomes, Dalcio, Fernandes, Cavalcante e Lula Palomares. Incluiu veteranos do humor nacional, como Laerte, Angeli, os irmãos Chico e Paulo Caruso, Renato Aroeira, Alcy Linares, Edgar Vasques e Santiago.  E envolveu talentos de várias gerações, desde Adão Iturrusgarai, Rodrigo Rosa, Rafael Sica, Rafael Corrêa, Benett, Jota Camelo, Bruno Ortiz e Max Ziemer. As artistas gráficas Carla Pilla, Fabiane Langona, Helô D´Ângelo e Mauren Veras formaram o competente naipe feminino na mostra.

Um dos Mestres Disney no mundo, o quadrinista gaúcho Renato Canini teve participação póstuma. E assim desfilaram nomes de todas regiões do país, dos mais antigos à gurizada, em um mix de técnicas que vão desde velhos desenhos a caneta em folhas soltas, carvão e aquarelas, até às avançadas pranchetas digitais.

Conhecido pelo ‘silêncio eloquente’, mas de exuberante narrativa, LFV traduziu como ninguém a realidade brasileira em suas crônicas. Em 50 anos, produziu (se estima) cerca de dez mil textos para os mais destacados jornais e revistas do país. Referência de opinião crítica, sua posição balizou a interpretação sobre os acontecimentos políticos. Opositor desde a ditadura militar até o atual presidente, a quem chama de “cataclismo”, afirmou que a guerra civil começou há anos, só não saiu no Diário Oficial.

Arte: Dalcio

 

Homenagem da cidade

 

– Não é necessário justificar o significado do escritor, poeta, desenhista, jazzista, caricaturista Luis Fernando Verissimo. Ele é um nome nacional, reconhecido internacionalmente e escolheu ficar aqui em Porto Alegre – destaca a ex-secretária de Cultura da capital Margarete Moraes.

Ela nutria um desejo antigo, que era fazer uma homenagem a LFV.

Quando jovem, o escritor viveu um tempo nos EUA e no Rio de Janeiro até que, em 1964, recém-casado com a Lucia e pai da Fernanda, regressou à casa onde nasceu, na capital gaúcha. Aqui teve Mariana e Pedro, aqui reside até hoje, na mesma casa onde viveu seu pai, o escritor Erico Verissimo.

Margarete é uma das atuais curadoras do Espaço Cultural Amelie, anfitrião e promotor da exposição. Sua localização, na Vieira de Castro quase esquina com a Jerônimo de Ornelas, tem tudo a ver com a homenagem: é em frente à praça da mostra. Para cumprir a tarefa, quatro amigos do homenageado foram chamados: Fraga, Eugênio Neves, Leandro Hals e Fabio Zimbres.

 

Bom de texto e de traço

 

– É justamente um de seus talentos menos lembrados, a caricatura, a linguagem escolhida para a demonstração de reconhecimento”, comenta Fraga, que contou com a parceria dos artistas gráficos gaúchos Eugênio Neves, Leandro Hals e Fabio Zimbres para a empreitada, batizada de “Caríssimo Verissimo – Uma aclamação gráfica aos 85 anos de LFV.

– Como faltaria fio e tear para tecer mais loas ao LFV, nada mais certeiro do que homenagear o mestre com caricaturas, ele mesmo um bamba do traço – registra Hals, editor gráfico da mostra, e que preside a Grafistas Associados do RS (Grafar).

– A quantidade de desenhistas que aceitaram o convite, muitas vezes criando uma caricatura especial, mostra o quanto o LFV é uma pessoa querida pelos colegas. Nos acostumamos com a presença dele, como alguém de casa, e, francamente, temos sorte pela proximidade, mas ele é realmente uma figura nacional, que mexe com todos. Entre os desenhistas, ele é respeitado também pelo desenho e não apenas pelo texto – expressa o quadrinista, ilustrador e artista visual Fabio Zimbres, designer do projeto.

– Estar num espaço público vai ao encontro do espírito do Verissimo, que tem comunicação direta com seus leitores. É uma homenagem indiscutivelmente merecida. Ele representa a nossa cultura local de forma muito expressiva e tem proximidade muito grande com esse grupo que se expressa graficamente pelo desenho – acentua Eugênio Neves, produtor do evento.

– Não temos tamanho para presentear o Verissimo. Mas podemos, em uma pequena praça da nossa cidade, da cidade dele, em um local que é público, onde todos podem ter acesso, mostrar o quanto gostamos dele. Com a criatividade e a inteligência traduzida nas ilustrações dos cartunistas que o retratam – resume Margaret Dorneles, proprietária do Baden Cafés Especiais e também do Espaço Amelie.

Este humanista retratado, que já confessou abandonar todas as utopias, menos a de desejar o fim da fome no mundo, demonstra receio em relação ao futuro do país que voltou ao mapa da fome e a recordes de desemprego e desigualdade. Essa temida guinada conservadora aponta que será necessário estar muito mais presente nas praças públicas, munidos fortemente de humor, atitude e contundência.

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »