bem-estar animal

Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints

O suposto assassinato de um cão por um guarda municipal de Gravataí será investigado pela Corregedoria da corporação. A execução com um tiro, sem autorização sanitária, revoltou a comunidade da parada 76.

Um dossiê, com vídeos, áudios e prints de mensagens foi entregue pela vereadora da causa animal, Márcia Becker (MDB), que também registrou ocorrência policial e denunciou os maus-tratos no Ministério Público.

– É um crime. O cão, mesmo que fosse bravio, deveria ter sido observado por 10 dias e só eutanasiado com autorização veterinária – explica a parlamentar.

– O caso está com o corregedor, que vai ouvir o guarda e testemunhas. Se houver evidências a Prefeitura pode abrir um PAD (processo administrativo) – confirmou ao Seguinte: o chefe da Guarda Municipal, Henrique Gaus.

A denúncia chegou à vereadora a partir de moradores da região. Conforme relatos, o guarda municipal, que estaria de folga, foi chamado pela tutora do animal, chegou em carro particular, sem uniforme, executou o cão e foi embora.

Em vídeo anexado à denúncia a proprietária confirma ter pedido para o guarda atirar no cão após ter sido mordida e precisar de atendimento pela SAMU. O animal teria sido enterrado no pátio.

– Como ela mesma confirma no vídeo o cão estava preso há 10 anos, desde filhote, naquele cubículo. Fomos até o local e é um canil podre, onde recebia água suja e restos de comida. Possivelmente atacou para não ser confinado novamente. A mordida foi superficial. Eu mesma vi – atesta Márcia Becker.

A vereadora conta que o Corpo de Bombeiros foi chamado quando o cão se soltou e, sem dificuldades, os militares o prenderam novamente no canil da casa. Ao fugir novamente, a dona teria chamado o guarda para sacrificar o animal.

– Chegaram a passar a mão nele – lamenta, revoltada, assim como outros moradores que contaram que uma criança autista entrou em pânico ao supostamente testemunhar a execução do cão.

Conforme a Lei de Crimes Ambientais, nº 9.605/1998), as penas são de detenção de três meses a um ano e multa para quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. A pena é aumentada de um sexto a um terço em caso de morte do animal.

De acordo com a lei nº 14.228/2021, somente os animais com males, doenças graves ou enfermidades infectocontagiosas incuráveis que coloquem em risco a saúde humana e a de outros animais poderão passar por eutanásia.

Nestes casos, o procedimento deverá ser justificado por laudo do responsável técnico pelo estabelecimento – precedido, quando for o caso, de exame laboratorial.

Pela lei, as entidades de proteção animal devem ter acesso irrestrito à documentação que comprove a legalidade da eutanásia.

Já conforme o artigo 3º da Resolução nº 1000, de 11 de maio de 2012, do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), “… a eutanásia pode ser indicada nas situações em que: I – o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos; II – o animal constituir ameaça à saúde pública […]”.

O CFMV coloca uma série de princípios para nortear os métodos de eutanásia em cachorros. É obrigatória, por exemplo, a participação do médico veterinário na supervisão e/ou execução da eutanásia no animal.

É dever do veterinário esclarecer ao tutor do animal sobre o ato da eutanásia. O profissional deve exigir autorização, por escrito, do proprietário legal para a realização do procedimento.

Ao fim, se comprovada a atitude inconsequente e covarde, suja o bom trabalho que faz a Guarda Municipal de Gravataí tanto na proteção das pessoas, quanto garantindo apoio em uma série de operações pelo bem-estar animal, como resgates de cavalos e outros bichos maltratados ou em situação de risco.

E depõe contra a excelência no treinamento que faz de Gravataí referência para outras guardas gaúchas.

Se um guarda municipal atirou em um cão, não foi profissional e não agiu com técnica.

Eu, civil de nascença, sempre alerto para os riscos de uma arma na mão de quem não tem preparo.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »