política

Governo Zaffa vai apresentar novo subsídio ao transporte coletivo em Gravataí; A Bombonera e a ’pauta-bomba da Sogil’ 2.2

A confirmação de que o governo Luiz Zaffalon (MDB) vai apresentar novo subsídio ao transporte coletivo foi dada pelo secretário da Fazenda, Davi Severgnini, no Fórum do Orçamento, na tarde desta quinta-feira.

Em 2021 já foram aprovados pelos vereadores R$ 5 milhões: R$ 3 mi em indenização por perdas da Sogil na pandemia e outros R$ 2 mi em antecipação de receita com a compra de passagens, polêmica que tratei em artigos como Gravataí e Cachoeirinha: estudo mostra ser irreversível subsídio como para Sogil e Transbus e links relacionados.

– Os municípios estão sendo obrigados a subsidiar. O sistema entrou em colapso – disse Davi, ao responder a pergunta do vereador Paulo Silveira (PSB), integrante da base do governo e defensor, como eu, do debate sobre a ‘tarifa zero’, o que já tratei em artigos como Do bilhete de graça para pobres da Gravataí de hoje ao fim das gratuidades e à tarifa zero bancada pelo IPTU amanhã; O sincericídio e o caça-cliques.

Não há definição ainda sobre o subsídio, mas a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2022, apresentada pelo secretário no Fórum do Orçamento, tem uma previsão de orçamento toral de R$ 8 milhões para a área do transporte em 2022.

Davi informou que o secretário de Mobilidade Adão Castro apresentou nesta semana ao grupo técnico que analisa o novo subsídio dados que mostram que a queda de passageiros já é anterior à pandemia.

– Em 2019 o número de passageiros pagantes era 30% menos que em 2013. É o efeito dos apps como Uber e do transporte coletivo. Enquanto cai o número de passageiros, o custeio do sistema segue aumentando – comparou.

O secretário usou exemplo de Araucária, a 14km de Curitiba e com metade da população de Gravataí, que tem três concessionárias e injetou R$ 35 milhões no transporte coletivo em 2021 para garantir uma passagem de R$ 1,90.

– Parece-me obvio entender, independentemente de paixões particulares dos gravataienses, seja qual for a concessionária. O governo estuda nova modelagem. Mas o transporte coletivo é, conforme a lei da mobilidade, um direito básico. É como o SUS. É preciso ser garantido ao usuário. Se baixar a passagem, ou não repassar custo, beneficia empregador e empregado. 60% da nossa bilhetagem é comprada pelo empregador. É um preço que será cobrado no Orçamento (Municipal) – disse o secretário que hoje é o mais próximo do prefeito, ao lado de Mauro Bosle, da Administração.

Outros números da explanação de Davi nesta quinta, que projeta R$ 72 milhões em investimento no ano que vem, já antecipei em LDO 2022: ’É melhor momento para Gravataí’; O otimismo de Zaffa em números – e reposição aos servidores mas trato no próximo artigo. 

Ou clique aqui para assistir.

Ao fim, logo estaciona no legislativo a ‘pauta-bomba’ do subsídio. É ‘3,2,1…’ para oposição criticar Zaffa por “dar mais dinheiro para a Sogil”. Com certeza, sem as restrições da pandemia e com alentaço no Grande Tribunal das Redes Sociais, a Câmara vai virar uma Bombonera na votação.

Reputo é um debate inevitável. É muito pedir responsabilidade e alternativas de favoráveis ou contrários, tirando os mágicos e demagogos da sala?

 

LEIA TAMBÉM

Socorro milionário ao transporte público de Gravataí: a responsabilidade dos vereadores e o sincericídio de Zaffa

Cachoeirinha também bancou indenização milionária para empresa de ônibus por perdas na pandemia; A institucionalização do subsídio

Nem o ’Seu Sogil’, nem o Zaffa aumentaram a tarifa do Gravataí-Porto Alegre; A hora do pesadelo (o subsídio)

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »