cultura

Filme explora o imaginário popular sobre o Morro Itacolomi de Gravataí

Símbolo de Gravataí, o Morro Itacolomi ganhará um filme sobre suas histórias e lendas. O curta-metragem Pedra Menina foi contemplado pela Lei Aldir Blanc do município e estreia em outubro. Com direção coletiva de Camila Tauchen, Ketelyn Scrittori e Giuliana Heberle, o projeto busca fortalecer a relação dos moradores de Gravataí com o morro representado em seu brasão, fazendo ecoar o conhecimento popular sobre o Itacolomi e registrando de forma perene a memória da cidade. O título do filme foi inspirado no próprio Morro: Itacolomi significa “menino de pedra” em tupi-guarani.

Na narrativa, uma protagonista explora o Morro Itacolomi, instigada pelos mistérios que rondam o lugar. Lá, as lendas contadas pelos moradores da região ganham vida e movimento a partir de três personagens interpretados por uma atriz e performer. Segundo essas histórias, o casarão situado no topo do morro teria sido construído na época da Segunda Guerra Mundial por dois alemães fugitivos. Com a descoberta do esconderijo, o local supostamente teria se transformado em um bordel e, após, teria sido comprado por um médico. Entendendo as lendas como narrativas fantásticas que intensificam fatos históricos, Pedra Menina deixa a pergunta: qual o limiar entre o que realmente aconteceu e o que circula entre as gerações de moradores da região?

Além de preservar a memória da cidade, o curta-metragem também tem um propósito fundamental: sensibilizar a população sobre a importância ambiental do Morro Itacolomi. Trata-se de um dos raros pontos do Rio Grande do Sul onde ainda é possível encontrar Mata Atlântica, considerada o bioma mais ameaçado do país, com apenas 12% da vegetação original conservada. No Itacolomi, a Mata Atlântica constitui a vegetação predominante. O Morro abriga ainda cinco cursos d’água, afluentes das sub-bacias do Rio Gravataí e do Rio dos Sinos. Já a fauna da área é constituída por mais de uma centena de espécies – entre aves, répteis e mamíferos.

O Instituto CAAPORA – Cultivar, Preservar e Regenerar a Natureza, fundado pelas proprietárias de 157 dos mais de 300 hectares do Morro Itacolomi, estuda a possibilidade de transformar a área delas em uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Tal categorização facilitaria a organização de atividades como proteção de recursos naturais, desenvolvimento de pesquisas científicas e manutenção ecológica das Áreas de Preservação Permanente (APP).

Ao longo das próximas semanas, o público poderá acompanhar no Instagram @filme_pedramenina os bastidores da produção do curta-metragem, além de informações sobre o contexto atual do Morro Itacolomi. Para garantir a acessibilidade do conteúdo, todo material divulgado na página terá legendagem audiovisual com o uso das hashtags #Acessibilidade #PraCegoVer e #PraTodosVerem.

 

LEIA TAMBÉM

O Morro Itacolomi como você nunca viu

LUGARES | O homem que conquistou o Morro do Itacolomi

O morro das lendas urbanas

 

Assista vídeo produzido pelo Seguinte: no Morro

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »