política

De ’denunciado’ a convidado: O dia em que vereador Dila ’inocentou’ Odair do Acorda e do Alô Gravataí; Do fã clube aos Grandes Lances dos Piores Momentos

A política é um ouroboros.

O convidado do vereador Dilamar Soares (PDT) para se reunir com empresários e moradores de Morungava, junto ao secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Iuri Camargo, foi o digital influencer Odair Goulart, o ‘Odair do Acorda e do Alô Gravataí’.

Dila, que é autor e presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Empreendedorismo, Emprego e Renda da Câmara, quer trabalhar junto ao governo Luiz Zaffalon o potencial turístico daquela região.

Dos Grandes Lances dos Piores Momentos é que o vereador foi, há quase dois anos, autor de representação ao Ministério Público de que haveria na Câmara ‘gabinetes do ódio’ disseminando ‘fake news’ e até um mercado de venda de páginas e comunidades de Facebook.

Na denúncia, Dila cita redes de Odair, à época ligado ao vereador Bombeiro Batista (PSD) – hoje afastados como tratei em A ’DR política’ entre vereador Bombeiro e Odair do Alô e do Acorda Gravataí.

A denúncia foi arquivada pelo promotor Fabio Lusa Marcon, da 71ª Zonal Eleitoral, como tratei em MP arquiva denúncia de vereador por uso político e fake news em Gravataí; páginas do Face comemoram livres, leve e soltas.

À época reportei em Vereador de Gravataí denuncia ao MP uso de fake news e páginas de Facebook por políticos; há um ’gabinete do ódio’?: “O parlamentar anexa à peça prints de postagens, uma lista de supostos perfis falsos e áudios que mostrariam um mercado de páginas e comunidades de redes sociais, e levanta suspeitas de tentativa de extorsão, além de um apresentar um organograma tipo ‘powerpoint’ que liga políticos com mandato e candidatos a administradores e moderadores – por vezes, as mesmas pessoas”.

Mais sobre a polêmica publiquei em Áudio de vereador está no Ministério Público em ’denúncia das fake news’; ouça, Em nota, vereador de Gravataí reage à ’denúncia das fake news’ ’Político alvo’ desafia abertura de ’CPI das fake news’ na Câmara de Gravataí; as bravatas e verdades múltiplas.

Em entrevista com o vereador, em maio de 2020, perguntei: “Como funciona o ‘mecanismo’ que denuncias?”

Dilamar respondeu: “Ofereci aos promotores a cronologia da criação de grupos, páginas e comunidades de Facebook, com diferentes nomes fantasia, que por vezes mudam conforme os interesses, e são administrados por agentes públicos, pré-candidatos e perfis falsos com o objetivo de destruir reputações e criar salvadores da pátria, com base em fake news e manipulações. As pessoas são convidadas, ou participam desses grupos acreditando que são serviços para a comunidade, ou páginas de notícias, e depois são enganadas por organizações com interesses políticos e econômicos. Como o algoritmo busca o engajamento, são postadas notícias sensacionalistas, pinga sangue, e no meio disso políticos e aspirantes a políticos usam o alcance, que passa de 2 milhões, para atacar adversários sem dar direito de resposta e fazer campanhas de promoção pessoal e política. Não vou citar nomes ainda, mas estão lá na denúncia ao MP”.

Também questionei: “Há um mercado de venda de páginas?”

Dilamar respondeu: “Sim. Pedi para ser ouvido pelo Ministério Público porque, além da cronologia da formação dessas organizações, tenho áudios e depoimentos de testemunhas que foram procuradas para venda das páginas. O intuito certamente não é só informar. Há agentes públicos envolvido, diretamente ou como contratante de administradores”.

Insisti: “Então suspeitas de tentativas de extorsão?”

Dila respondeu: “Sim, suspeito. Se a cronologia de prints e áudios mostra uma briga dentro de um grupo político, que leva administradores a procurar adversários, um agente público confessa ser administrador de páginas, diz “falar em código”, e ao não haver acerto o grupo volta a se reunir em torno de uma candidatura, algo há. Não pode a comunidade de boa fé ser usada por essas páginas para, ao vender influência, extorquir aquele que for o prefeito de plantão. Uma notícia, um vídeo publicado no dia da eleição em páginas com alcance de 2 milhões de pessoas podem destruir uma reputação e decidir uma eleição. Fake news não provocam só linchamentos políticos, mas literalmente colocam em risco a vida de pessoas. Mataram uma mãe, no Guarujá, porque foi confundida na rede social como uma sequestradora de crianças”.

A íntegra da entrevista publicada pelo Seguinte: está em Vereador de Gravataí denuncia ao MP uso de fake news e páginas de Facebook por políticos; há um ’gabinete do ódio’?.

Fato é que foi Dila a levantar as suspeitas, depois arquivadas. Agora, com sua fé pública de vereador, ao se associar a Odair, por lógica corrobora o entendimento do Ministério Público de que o digital influencer não comete nenhum crime em suas páginas. Por analogia, também 'inocenta' Bombeiro, que teve inclusive o mandato ameaçado de ser julgado na comissão de ética parlamentar.

Ao fim, o professor Odair, sempre assunto no legislativo e um ativo em campanhas eleitorais pelo alcance de suas redes, “parece ter um fã clube na Câmara”, como sempre brinca o jornalista Luis Felipe Teixeira, do Poder 24h.

A política é um ouroboros.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »