crise do coronavírus

Com recorde de covid, Gravataí e Cachoeirinha terão Carnaval?; A folia de toda noite

Com recordes de contaminação pela covid-19, Gravataí e Cachoeirinha não terão Carnaval em 2022.

Reputo inútil as prefeituras confirmarem o cancelamento da festa popular, quando a cada noite a folia continua nas festas – de ricos, pobres e remediados; e com o passaporte vacinal barrado pelas influências negacionistas nas bases dos governos Luiz Zaffalon (MDB) e Maurício Medeiros (MDB).

Vamos às informações.

Gravataí vai manter a política de não ter festa de rua, mas quer apoiar a Acadêmicos de Gravataí.

– No município não há Carnaval há muitos anos, também devido a escola de samba desfilar no Grupo Especial da Capital – lembra o secretário de Cultura, Esportes e Lazer.

– O momento é delicado, sim, em função da covid-19, mas vamos buscar alternativas para os próximos anos. Não descartamos a realização de muambas, nos próximos anos, desde que estas atividades se enquadrem na realidade do nosso orçamento – disse Leandro Ferreira.

Se o desfile vai acontecer em Porto Alegre, ainda não há confirmação da Prefeitura. A realização do Carnaval 2022 foi anunciada no calendário de eventos dos 250 anos de Porto Alegre. No cronograma, os desfiles das escolas estão previstos para os dias 18, 19 e 20 de março.

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Cachoeirinha informa que não vai promover nenhuma festa de Carnaval em 2022.

A ‘ideologia dos números’ assusta.

Nos últimos 14 dias a média diária de casos em Gravataí cresceu de 80 para 184. São quase 8 casos por hora. Dia 24 eram 27.311 infectados. Às 16h30 desta segunda, 7, são 29.888. Em Cachoeirinha a média diária é de 72 casos a cada 24h.

Se o crescimento entre a média dos meses de setembro a dezembro cresceu 800% em relação a janeiro, como reportei em Upas, UTI e leitos lotados: covid cresce 800 por cento; Gravataí e Cachoeirinha vão ’fechar’ de novo? Prefeituras respondem, hoje já chega a 1840%, recorde em relação aos piores meses da pandemia, entre março e abril de 2021.

Se Cachoeirinha – oficialmente – não registrou mortes em 2022, Gravataí tem 12 vidas perdidas. A média já é maior que o período entre setembro e dezembro, que registrava um óbito a cada dois dias.

Para efeitos de comparação, no pior momento da pandemia, entre março e abril, a média chegou a 6 vidas perdidas por dia.

Mesmo ‘menos virulenta’, a pressão da nova variante ômicron já reflete no sistema de saúde. Em Gravataí, os 8 leitos de UTI estão lotados; 18 dos 18 leitos de enfermaria também – mesmo com acréscimo de 6 novos leitos em fevereiro.

Dia 1º as 21 região gaúchas receberam pela segunda semana consecutiva o Alerta, no Sistema 3As de Monitoramento, responsável pelo gerenciamento da pandemia no Rio Grande do Sul.

Na ocupação de leitos clínicos, em 30 dias, o número de internados no Estado passou de 269, entre confirmados e suspeitos, para 1.748. Esse ciclo de elevação só não supera a variação e a velocidade de crescimento do ciclo de março de 2021.

No entanto, o aumento já é superior aos demais três ciclos de aumento (junho e julho de 2020, novembro e dezembro de 2020 e de maio de 2021). Em janeiro, houve média de 47,7 internados a mais em leitos clínicos por dia.

Também foi registrada elevação no número de internados em UTIs em todo o Estado, passando de 243 para 639 pacientes, entre suspeitos e confirmados. Com isso, a ocupação das UTIs passou de 48,5% para 61% ao longo do mês, retornando aos níveis de agosto de 2021.

Nesta terça, o ‘Alerta’ deve se repetir, o que indica o risco de contágio generalizado em todo o RS.

 

LEIA TAMBÉM

Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde

 

Ao fim, não que o governador ou nossos prefeitos sejam negacionistas; pelo contrário. Zaffa tuitou que a cada 3 internados 2 não se vacinaram ou não tinham o esquema completo. Maurício também é um entusiasta da vacina.

Gravataí e Cachoeirinha estão entre as melhores no ranking da vacinação de adultos e crianças.

Mas, apesar do ‘Alerta’ render novas manchetes amanhã, na prática nada de excepcional tem sido feito pelo governo estadual e as prefeituras para restringir o Carnaval de todos os dias.

As propostas de ‘passaporte vacinal’ não avançaram nas câmaras de vereadores (contaminadas pelo negacionismo das bases de governo de Zaffa e Maurício), para além do passaporte fake criado pelo governo Eduardo Leite, que tratei em artigos como Zaffa, imite prefeito de NY e obrigue a vacina em Gravataí; A ditadura da vidaOnde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí; O ’passaporte vacinal’.

Fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos: vivemos o ‘novo normal’ como se não houvesse amanhã. O festerê está liberado, do culto ao puteiro, e quem anda pelas cidades sabe.

Seja o que as variantes quiserem.

 

LEIA TAMBÉM

Covid: estão mentindo para mães e pais de Gravataí e Cachoeirinha sobre a vacinação de crianças

Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »