crise do coronavírus

Covid dobrou procura por UPAs de Gravataí; Prefeitura e Santa Casa avaliam 2 primeiros meses de gestão

Trabalho iniciado há dois meses já atendeu cerca de 30 mil pessoas nas duas unidades

Uma reunião avaliou os primeiros dois meses e projetou as ações da gestão da Santa Casa de Misericórdia nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Abílio Alves dos Santos (Cohab-74) e Moisés Eli Magrisso (Morada do Vale), em Gravataí. O contrato com a instituição, responsável também por gerenciar o Hospital Dom João Becker, foi assinado no dia 20 de dezembro. 

No encontro, os gestores apresentaram números detalhados dos atendimentos ao longo do período, em relação aos casos clínicos e pediátricos. Cada UPA realiza cerca de 200 atendimentos por dia. Porém, a explosão de casos de covid-19, em janeiro, em função da variante ômicron, quase dobrou a média diária de pessoas que procuraram uma dessas unidades. O maior pico ocorreu entre os dias 17 e 23 de janeiro, quando mais de 4,5 mil cidadão procuraram as duas unidades 

Para suprir a demanda, a Prefeitura autorizou a ampliação da capacidade em até 25% e redimensionou equipes médicas e profissionais de apoio por cerca de 4 a 5 semanas, desde o início de janeiro, além de estender a assistência a pacientes sintomáticos às 29 unidades de saúde. O volume de atendimentos retornou ao normal a partir da segunda semana de fevereiro. 

Na reunião, os gestores da Santa Casa também informaram que, no começo de janeiro, foi trocada a empresa terceirizada responsável pela escala dos profissionais de saúde nas UPAs. A mudança buscou melhorar o serviço à população, em função de alguns problemas ocorridos e a falta de resolução.

– Completamos dois meses nas UPAs, atuando em conjunto com a prefeitura para ampliar o serviço e, por consequência, trabalhar de maneira efetiva pela saúde dos gravataienses. É uma missão com enormes desafios e que exige muita dedicação, porém estamos convictos de que conseguiremos atingir os objetivos – destacou o superintendente Hospital Dom João Becker, Antônio Weston. 

O prefeito voltou a ressaltar a importância de contar com a excelência da Santa Casa na gestão da estrutura pré-hospitalar, lembrando que a parceria com a instituição qualifica a organização da rede de urgência e emergência SUS no município — uma vez que as UPAs são gerenciadas pela mesma responsável pela administração do Hospital Dom João Becker 

– Saúde sempre foi prioridade, especialmente em tempos de pandemia, e o trabalho da Santa Casa nos dá a confiança de que os gravataienses podem contar com um suporte de qualidade – acrescentou. 

De acordo com o secretário de Saúde Régis Fonseca, as avaliações e a fiscalização do trabalho nas UPAs, tanto na Abílio e na Moisés quanto nas demais (só são as duas), é feita diariamente junto com os profissionais que operam. Régis acrescentou que o debate entre os gestores, como o promovido na sexta-feira, é importante para ajudar nas análises e aprimorar as ações.

– A busca por prestar sempre o melhor serviço é constante. Com a redução dos casos de covid-19 e o retorno da procura à média normal, está sendo possível garantir o melhor atendimento em todas as situações. Para nós, da saúde, ter as UPAs como uma extensão da Santa Casa, significou um grande avanço – finalizou.

O encontro teve a presença do prefeito Luiz Zaffalon, do vice-prefeito Dr Levi Melo, do secretário de Saúde, Régis Fonseca, do secretário substituto, Bruno Palaver, da chefe de Gabinete, Mari Léia Bastiani, do superintendente do Hospital Dom João Becker, Antônio Weston, e do diretor médico Fernando Issa.

 

LEIA TAMBÉM

A pandemia não terminou: Gravataí ultrapassa 1000 mortes e tem 10 infectados por hora; Alerta aos não vacinados

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade