Denúncia

CANOAS | Ex-adjunto devolve 300 litros de álcool-gel: o que ele fazia com um bem público?

A pergunta que não quer calar agora é problema da Polícia: governo registrou ocorrência

Já foi para a Delegacia de Polícia a investigação que vai apurar o levou à retirada de 684 frascos de 500ml de álcool em gel, em novembro do ano passado, que estavam em um depósito da Prefeitura. A suspeita é de que um total de 342 litros teriam sido pegos irregularmente. 

 

LEIA MAIS

CANOAS | Coluna de quinta: Nereu presidente; Busato e Leite; a ’lei do gatilho' de volta e mais

CANOAS | O que tem de novo no plano 55 em 100 de Jairo Jorge?

 

Segundo o governo, no final do ano passado, a Corregedoria do Município impediu a distribuição do produto, em razão da suspeita de uma servidora pública, que desconfiou da movimentação da mercadoria, denunciou aos órgãos fiscalizadores e registrou um Boletim de Ocorrência junto à Polícia.

A suspeita recaiu sobre o ex-secretário adjunto de Licitações, Cleber Brito, após testemunhas afirmarem que, em 15 de dezembro, um veículo com adesivos da prefeitura, dirigido por um funcionário da equipe de entrega de cestas básicas, teria se apropriado dos lotes de álcool, sem qualquer autorização. 

Segundo o atual titular da pasta da Cidadania, Paulo Bogado, Cleber telefonou para informar que iria devolver o carregamento de álcool. “Imediatamente, informamos ao secretário de Segurança, ao delegado Emerson Wendt, bem como à Controladoria do Município, para tomar as devidas providências. Verificamos que a data de fabricação do álcool devolvido é de 2021, sendo que o comprado era de 2020. Não sabemos o que o ex-secretário de Licitações fez com o álcool que retirou, mas não é o mesmo produto”, afirmou Bogado.

Procedência em xeque

Pelo menos 40 mil litros de álcool em gel estão armazenados desde novembro do ano passado em um depósito da Prefeitura de Canoas, mas há suspeitas de que o produto esteja fora das especificações exigidas pelo Ministério da Saúde. A procuradoria Geral do Município contesta a veracidade do laudo técnico apresentado pela empresa fornecedora.

Por esse motivo, a Prefeitura de Canoas enviou dois lotes do produto para análise técnica na Universidade Federal do Paraná. Os resultados são aguardados.

O álcool em gel foi adquirido em outubro de 2020, sem licitação, com recursos do governo federal para combate à Covid-19, e teriam como destino famílias de baixa renda do município.

 

O outro lado

O blog tentou contato com Cleber Brito pra esclarecer seu envolvimento na situação,as ele não retornou às ligações.

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade