Crise no transporte

CANOAS | Em nota aos funcionários, Sogal questiona assembleia de greve e culpa prefeitura pela crise

Paralização está mantida, mas empresa tenta demover funcionários sobre a greve. Foto: Divulgação

Documento afixado no mural da empresa pede que cada funcionário avalise assembleia do sindicato que decidiu pela greve

Publicamente, a Sogal mantém o silêncio sobre o movimento de greve que pode parar o transporte coletivo em Canoas às vésperas do Natal. Mas internamente, junto aos funcionários, a direção da empresa não desistiu de brigar. 

 

LEIA TAMBÉM

URGENTE | Rodoviários fazem assembleia: greve na pauta; Canoas sem ônibus no Natal

CANOAS | Jairo dá aval e décimo terceiro no Gracinha sai com empréstimo do Banrisul

 

Na tarde deste domingo, um extenso documento foi afixado no mural da empresa dando a posição da diretoria sobre o movimento grevista. Nele, a empresa questiona a representatividade de uma assembleia da categoria com uma participação que julga pequena. E pede cada funcionário assine um documento entre a noite deste domingo, 20, e a manhã de segunda-feira, 21, esclarecendo se é a favor da greve ou de uma suposta negociação com o Ministério Público do Trabalho, que a Sogal diz ter audiência marcada para esta semana.

Ainda no documento, a empresa afirma que pretendia pagar os atrasados em seis parcelas a partir de dezembro e que uma eventual paralização afetaria ainda mais o já combalido cofre da empresa.

A direção ainda culpa a Prefeitura de Canoas pela crise no transporte. Em um trecho do documento, afirma que os atrasos não são culpa da gestão, mas de uma dívida que o município teria com a empresa e que faz parte de um processo aberto pelo Ministério Público Estadual. 

O Sindicato dos Rodoviários preferiu não comentar a nota da empresa. Está mantida para manhã desta segunda-feira, 21, a partir das 8h, a mobilização para paralizar o transporte público em Canoas antes do Natal.

Confira a íntegra da nota da empresa:

NOTA DA SOGAL AOS FUNCIONÁRIOS

Boa tarde, a empresa Sogal vem através de sua diretoria, por meio desta mensagem, manifestar sua preocupação frente à possibilidade de realização de movimento grevista no sistema de transporte coletivo. Antes de mais, importante dizer que sabemos que o ano de 2020 foi difícil para todos, em especial para classe trabalhadora. Juntos, enfrentamos essa pandemia com todas as nossas forças e conseguimos chegar até este momento, onde precisamos esclarecer algumas questões, para que não pairem dúvidas sobre a real intenção da empresa. Tivemos conhecimento que neste final de semana houve uma assembleia, motivada pelo Sindicato dos Trabalhadores, onde poucos funcionários participaram e que, infelizmente, teria sido decidido por uma paralização na próxima segunda-feira, o que nos preocupa profundamente. É que uma paralisação neste momento só irá priorar a situação financeira do sistema e causar enormes prejuízos à sociedade canoense. Hoje toda a receita diária dos sistema é destinada ao pagamento da folha dos funcionários e compra de diesel. Ademais, sabemos que estamos com a situação do 13º salário, residual de ticket e horas extras pendentes, mas é importante mencionar que enviamos uma proposta ao sindicato propondo o melhor que podemos fazer para este momento, parcelando todas as pendências relacionadas a estes três itens. Esta proposta prevê o pagamento em seis parcelas a partir deste mês de dezembro. É importante lembrar que a Sogal é uma empresa que está com seu contrato de concessão vigente e que a Prefeitura de Canoas também é responsável por manter o equilíbrio econômico e financeiro do contrato, que foi duramente abalado durante toda esta pandemia. Precisamos que todos entendam que a situação dos atrados de salários não se deu em função da gestão da empresa, mas porque o município de Canoas está em débito com a transportadora, como já é reconhecido em processo que tramita junto ao Ministério Público, cuja cobrança está sendo ajustada. Quer dizer: com eventual paralisação dos serviços, a receita da empresa será afetada drasticamente, comprometendo ainda mais os pagamentos básicos de todos. Estamos realizando esforço hercúleo para arcar com essas obrigações, já que nossa preocupação sempre foi em trazer aos nossos funcionários melhores condições para recebimento de seus salários e benefícios. Entendemos, assim, que a decisão de paralisação deve ser tomada pela maioria dos trabalhadores e não por apenas 91 pessoas, já que nosso corpo funcional alcança 700 colaboradores, ou seja, pouco mais de 10% não pode decidir pela maioria quando a representatividade é ínfima. Esta decisão vai impactar neste final de ano em todos, em especial para o comércio, indústria, serviços de saúde e demais serviços da cidade, razão pela qual pedimos que aqueles que não concordam com esta decisão que posicione sua vontade ao sindicato e também para a empresa pelos meios disponíveis, pois teremos uma audiência de mediação com o Ministério Público do Trabalho ainda esta semana para equacionar a forma de pagamento dos valores em atraso. Não podemos permitir que poucos decidam por todos. Se cada um dos trabalhadores tem a mesma força nesta tomada de decisão, informamos que está sendo impresso um formulário que será distribuído a partir de hoje à noite na empresa para que cada um se manifeste. É importante ter a posição escrita de cada um, optando pela paralisação ou a negociação junto ao MPT (Ministério Público do Trabalho). Saibam que a empresa está fazendo tudo que está ao seu alcance para manter todos os empregos, esta empresa que possui uma história de mais de 55 anos em nossa comunidade e com uma grande responsabilidade social em nossa cidade. Que Deus abençoe a todos neste momento de decidir o futuro de cada um de nós. Contamos com o apoio e consideração de todos neste momento tão difícil.

A Direção.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade