Transporte

CANOAS | Crise na Sogal, round 2: agora, acordos de demissão também atrasaram

Empresa recém fechou acordo para encerrar greve e já tem outro problema de caixa para resolver. Foto: Divulgação

Grupo de rodoviários que saiu da empresa com acordo de demissão reclamam que depósitos parcelados não foram feitos no prazo

A crise nas finanças da Sogal parece não ter fim. Recém resolvida a questão da greve com a compra de mais de R$ 1 milhão em passagens pela Prefeitura, agora a empresa deixou de cumprir com o pagamento dos acordos de demissão feitos ao longo do ano passado.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Socorro à Sogal encerra greve: será o último ou só o primeiro?

CANOAS | Covid pós Natal matou três canoenses por dia em 2021: você ainda acredita que o pior já passou?

 

O blog teve acesso a um grupo de 30 rodoviários que esperam desde o dia 30 para receber a parcela de dezembro dos seus acordos. Segundo eles, a empresa ofereceu a demissão em troca de parcelar as verbas indenizatórias em um prazo mais estendido. "Para cobradores, ofereceram R$ 1 mil por mês até o oitavo mês e a partir disso R$ 1,5 mil até que o valor fosse quitado", explica um dos rodoviários que deixou a empresa em setembro. "Para motoritas, R$ 1,5 mil até o oitavo mês e partir disso, R$ 2,2 mil até quitar".

Segundo levantamento dos próprios funcionários, cerca de 260 rodoviários aderiram ao acordo que prevê o pagamento da parcela mensal até o dia 30 de cada mês. A de dezembro, no entanto, não foi paga até esta sexta-feira, 8. Segundo os rodoviários demitidos, se a parcela atrasar mais de 15 dias, é possível pedir o bloqueio dos recursos do Cartão TEU – o do vale transporte dos funcionários da iniciativa privada, por exemplo, que é pago de forma antecipada. E, se ainda assim o recurso for insuficiente, eles podem pedir a penhora de bens – como ônibus, por exemplo.

O blog tentou mais de uma vez na sexta e no sábado contato com a empresa para pedir um posicionamento sobre a questão, mas não obteve retorno. Em um comunicado ao Sindicato dos Rodoviários, a empresa culpou a pandemia e a redução do número de passageiros transportados pela queda no caixa – o que teria resultado no atraso. Estima-se que a Sogal tenha perdido 60 mil dos 130 mil usuários do transporte coletivo todos os dias.

Na terça-feira, 12, vence o prazo do acordo judicial assinado junto com o Sindicato e a Prefeitura para quitar a primeira das três parcelas de 13º e outros benefícios atrasados do ano passado aos funcionários da ativa.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade