O dia Seguinte:

CANOAS | A ligação e a conversa que deu ao novo prefeito maioria na Câmara

: Felipe Martini (PSDB) foi o coordenador a campanha de Jairo Jorge (PSD) à Prefeitura. Foto: Divulgação

Coligação de Jairo Jorge fez seis vereadores e outros seis aderiram à campanha no segundo turno

 

ATUALIZADA – Depois de uma campanha recheada de tensões, a vida do prefeito eleito Jairo Jorge (PSD) não deve ser de turbulências na Câmara a partir do ano que vem. A coligação comandada por ele elegeu seis das 21 cadeiras na Câmara, mas outros seis acabaram aderindo à campanha do primeiro para o segundo turno. Inclusive o MDB, o principal aliado do prefeito Luiz Carlos Busato (PTB) tanto no governo quando na eleição.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Quem se elegeu e quem ficou de fora no primeiro turno das eleições de Canoas

CANOAS | Os 8 atos (e fatos) do dia em que Jairo Jorge foi eleito prefeito de Canoas

 

Jairo elegeu três vereadores pelo PSD, um pelo Solidariedade, um do PV e um do Avante. Pelo PSD foram eleitos Patteta, Leandrinho e Jefferson Otto; O PV reelegeu Cris Moraes; o Solidariedade estreia na Câmara com Abmael; e o Avante deu um novo mandato para Gilson Oliveira, que trocou o PP em março para estar com Jairo na eleição.

A primeira adesão dos segundo turno foi a MDB. O primeiro movimento partiu de uma conversa entre o coordenador de Jairo, Felipe Martini, com o presidente do partido, Cézar Mossini. Airton Souza, o mais votado do partido no primeiro turno e amigo de Martini, entrou no circuíto em seguida. Ele e Nedy de Vargas Marques, o vice, tiveram uma 'altercação' quando Nedy deixou o MDB, no final do ano passado, mas isso não atrapalhou o entendimento. "Águas passadas. Eu olho para frente", disse Nedy, avalisando a parceria.

Com Airton dando um sinal verde para Martini sobre uma aproximação, o próprio Jairo entrou no circuíto. Mossini e Link deram o amém e estava celebrado o casório. "Falamos com todos os partidos, exceto o PTB e o PDT, que estavam na cabeça de chapa adversária", explicou Nedy.

Martini, que mantém uma relação próxima também com vereadores eleitos por outras bancadas, entendeu que era a chance de se aproximar da maioria na Câmara ainda durante a eleição. Com as adesões dos três do MDB,  Márcio Freitas (PDT) e Duarte (Republicanos), Jairo já poderia contar com 11 em 21 – e a tão sonhada governabilidade estava resolvida.

O 12º vereador viria do PT, o partido pelo qual Jairo foi eleito prefeito pela primeira vez em 2008. Emílio Neto aderiu à campanha e deve ajudar a trazer ainda Maria Eunice, sua colega de bancada que ainda resiste à uma aproximação com o novo governo.

Na noite de domingo, o próprio prefeito eleito antecipou que pretende seguir ampliando a base de apoio. Ele não indicou que partidos estão na mira das articulações, mas o PL, PP e o vereador Alexandre Gonçalves, do PDT, estão no radar.

 

ATUALIUZAÇÃO – A primeira versão dessa notícia informava que Felipe Martini havia começado as tratativas com o MDB por Airton Souza, o que não traduz a realidade. O primeiro contato do coordenador da campanha de Jairo Jorge com o MDB foi através do presidente do partido, Cezar Mossini. O texto foi corrigido.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade