opinião

Papa do empresariado é contra Mina Guaíba; somos alvos

Mina de carvão na África do Sul

A Mina Guaíba, que se for liberada representará o maior empreendimento de extração de carvão do Brasil, é um atraso para o Rio Grande do Sul, e um risco ambiental, como tratei sexta no artigo Cachoeirinha ao alcance da poluição da Mina Guaíba; governo em silêncio.

Sabe quem concorda?

Não é a Greta Thunberg, o Sérgio Cardoso ou algum ‘ecochato’.

É Paulo Vellinho, 90 anos, seis décadas de empreendedorismo. É um 'papa do empresariado' que, com ações pioneiras, a partir dos anos 50 do século passado, revolucionou a tecnologia de produção de refrigeradores e condicionadores de ar e transformou a Springer em uma potência.

Siga a abertura da coluna de Affonso Ritter no Jornal Comércio desta terça, ‘Polo Carbonífero atrasado’, que traz entrevista com o ex-presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

 

“(…)

A mobilização pela implantação do Polo Carbonífero no RS está atrasada 50 anos porque esse mineral está sendo abandonado por China, Alemanha e EUA devido ao seu poder poluidor e gerador de resíduos, avalia o empresário Paulo Vellinho.

– Por mais ‘lobby’ que se faça, não se conseguirá dourar a pílula, pois o carvão, felizmente, está condenado a ficar onde está – afirma.

Aliás, lembra, o mesmo irá acontecer com o petróleo, que gradativamente está sendo substituído por “energias limpas”.

– O RS adora chegar ‘depois da hora’, veja-se o caso da nossa fábrica de chips, elefante branco, que custou milhões de dinheiro público e, quando pronta, não tem o que fazer: aquele produto está superado – conclui o empresário.

(…)”

 

Como conclui o artigo anterior: certeza apenas que esse negócio vai feder.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade