política

O dia em que Miki deixou de ser síndico de folha de pagamento; Cachoeirinha pode buscar dinheiro para obras

Miki Breier, prefeito de Cachoeirinha

Ao custo da popularidade de Miki, mas Cachoeirinha chegou lá.

Siga nota da Prefeitura e, abaixo, comento.

 

"…

Dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontam que, durante o último quadrimestre de 2020, houve nova redução no índice de comprometimento da receita com a folha de pagamento em Cachoeirinha. O resultado consolida o esforço de ajuste fiscal realizado nos últimos anos no município da Região Metropolitana. 

Pela primeira vez em quatro anos, o índice ficou abaixo do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 51%. Entre os meses de setembro e dezembro de 2020, 50,47% de tudo o que o município arrecadou foi aplicado em salários e encargos.

– Em 2017, recebemos como herança um comprometimento de 77% da receita com a folha. Isso era muito acima do limite legal. Quatro anos depois, alcançamos o comprometimento de 50,47%. Isso foi resultado de um grande esforço de equilíbrio financeiro. Sempre entendemos que a função primordial de uma prefeitura é servir às pessoas. O efeito prático da racionalização dos gastos é o aumento do poder de investimento, para qualificar os serviços prestados aos cidadãos – aponta o prefeito Miki Breier.

Para frear os gastos com pessoal, o município diminuiu o número de secretarias e de CCs. Além disso, foi necessário reduzir o percentual de aumento salarial decorrente de vantagens pessoais dos servidores. Antes, o reajuste era de 15% a cada três anos. Agora, é de 6%. Também foi preciso diminuir o valor do vale-alimentação, o número de Funções Gratificadas (FGs) e modificar a forma de incorporação de FGs.

– Quando se trata de folha de pagamento em setor público, por mais que empreendamos esforços, há um momento em que a redução cessa. Por isso, houve todo um aperto para conter os demais gastos e um trabalho para incrementar a receita, com atração de empresas, fiscalização para o pagamento de tributos, entre outras ações – pontua o secretário municipal da Fazenda, Elvis Sandro Valcarenghi.

…)"

 

Sigo eu.

Como bem explica a nota, a Lei de Responsabilidade Fiscal determina que os municípios não podem gastar mais de 54% da Receita com despesas de pessoal. Quando o índice supera os 51,30% o município atinge o chamado limite prudencial. Em 2016, Cachoeirinha gastava 77% de sua arrecadação com a folha de pessoal. Após o ajuste fiscal dos últimos anos, o percentual destinado ao pagamento de salários e encargos reduziu para 50,47%.

O número mágico permite que Miki não seja mais um síndico de folha de pagamento, como foi nos primeiros quatro anos de mandato, o que quase lhe custou a reeleição, conquistada por uma diferença de apenas 318 votos. Cachoeirinha pode agora contrair financiamentos para obras, como fez Gravataí nos últimos quatro anos. 

O comparativo vizinho cabe bem.

Marco Alba em seus primeiros quatro anos, entre 2013 e 2016, também precisou fazer um ajuste fiscal e perdeu a eleição para Daniel Bordignon. A reeleição só veio em 2017 porque o pleito foi anulado quando o ex-prefeito pediu música no Fantástico com a terceira impugnação.

Com as contas em dia, conseguiu com o Banco do Brasil a liberação de financiamento de R$ 100 milhões para obras de infraestrutura. Saiu da impopularidade para uma das maiores popularidades da história de Gravataí, reelegendo o sucessor Luiz Zaffalon, que partiu de 1% e terminou a eleição com 20 mil votos a mais que o segundo colocado e mais votos que todos os adversários somados. 

Isso além da esposa, Patrícia Bazzoti Alba, suplente que hoje assumiu definitivamente como deputada estadual.

É óbvio que esses ajustes trazem desgaste e, por vezes, tornam perpétuo o fim de mês do funcionalismo. Mas, no caso de Cachoeirinha, era uma imposição. Mantendo os 77%, Miki arriscava sair cassado ou até preso.

Ao fim, como brincava falando a verdade Millôr, "toda idelogia precisa ser baseada num orçamento".

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade