política

Caso Miki: emergência para lixo nas ruas de Cachoeirinha; O povo é sempre a primeira vítima

Há uma semana lixo se acumula nas ruas sem nova empresa suportar manualmente demanda do recolhimento

Não se sabe ainda quem é o vilão, mas é o povo quem paga o espetáculo do afastamento do prefeito Miki Breier do cargo por 180 dias pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O custo é o lixo que se acumula há uma semana nas ruas e faz com que o prefeito em exercício Maurício Medeiros tenha decretado nesta sexta situação de emergência.

É que pelos mesmo seis meses foram suspensos contratos de serviços essenciais, de limpeza urbana, pelas suspeitas de corrupção investigadas pelo Ministério Público estadual pelas operações Proximidade e Ousadia.

A varrição, que era feita pela SKM, não tem substituição. A EPPO, que fazia recolhimento de lixo por container, e a Urban, que fazia manualmente, foram substituídas pela Ecsam, que não está dando conta. Com o decreto o serviço será ampliado emergencialmente até que sejam feitas novas licitações.

Reputo não há vilões porque não se sabe se o papel caberá a Miki e sua suposta Orcrim, ou ao procurador-geral de Justiça Marcelo Dornelles e seus promotores. O prefeito nega existência do ‘mesadão do lixo’, e o chefe do MP diz ter provas “documentadas e em vídeo” de triangulação para o recebimento de dinheiro.

Fato é que os contratos foram suspensos. Além do prejuízo social com os serviços parados, funcionários restam desempregados.

Nunca esqueço de lembrar a Lava Jato, suas convicções e powerpoints, que pegou alguns corruptos públicos e privados (quase todos já livre, leve e soltos), mas inventou outros e, ao quebrar empresas, deixou 4,4 milhões de desempregados e R$ 172 bilhões em investimentos perdidos, conforme estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Ao fim, aguardemos no fedor.

A primeira vítima, como sempre, é o povo.

 

LEIA TAMBÉM

O assassinato da reputação política de Miki; Prefeito de Cachoeirinha é afastado e chefe do MP fala em mesada e malas de dinheiro

Vereadores barram 3º impeachment de Miki: por enquanto é música no Fantástico, não escândalo; O Bruxo Silvio e as 96h de Josef K

Miki dobra aposta: defesa diz não ter provas de corrupção e chefe do MP detalha triangulação para recebimento de dinheiro; O Powerpoint do Lula 2.1?

’Não há vídeos, malas, maços de dinheiro ou corrupção, só condenação midiática’, diz advogado que livrou Miki de golpeachment e teve acesso a operações em segredo de justiça; A aposta na volta do prefeito

MP faz operação em Cachoeirinha por suspeita de corrupção no lixo; Do secretário afastado à CPI do Fantástico ou Zorra Total

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade