Política

CANOAS | O ’sextou’ de Nedy no HU: o B.O. e a saída para crise

Nedy passou parte da tarde no HU, de onde despachou com a comissão de intervenção as primeiras medidas para retomada da gestão do hospital. Foto: Divulgação/ECom

Prefeito em exercício terminou o dia no HU em intervenção pouco antes de anunciar retomada dos plantões pediátricos no hospital

Nedy de Vargas Marques vibrou com a notícia chegada ao gabinete por volta das 15h30 desta sexta-feira, 27, de que a Justiça havia concedido liminar para o afastamento da FUNAM da gestão do Hospital Universitário, o HU. Desde o final da tarde, a Fundação Educacional Alto Médio São Francisco não responde pela instituição: agora, uma comissão de intervenção, já nomeada, é que dá as cartas por lá. E a primeira medida anunciada foi a retomada do plantão pediátrico – suspenso, pasmem, há dias.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Prefeitura pede à Justiça afastamento da FUNAM intervenção imediata no HU

CANOAS | O grande acerto de Nedy na ação que pede intervenção no HU; a crise, a ação e a provação

 

Um desavisado poderia questionar porquê Nedy vibra; se a bronca no HU é grande como se pinta, o 'B.O.' para assumir a gestão é um novo 'pepino' para o prefeito em exercício descarcar e não algo que se comemore.

As notícias dão conta de que falta até papel higiênico por lá; equipes médicas inteiras se queixam da falta de equipamentos básicos para atendimento dos pacientes e a ausência de pediatras – caso que vem se tornando crônico nos hospitais públicos – chegou ao alarmante nível do encerramento de plantões: em outras palavras, há turnos inteiros sem um médico especializado para atender crianças.

Então, por que Nedy vibra?

Essa é a chance do governo – e do prefeito em exercício, portanto – de ter protagonismo na solução de uma baita crise. Até agora, a Prefeitura pagou a conta da FUNAM no HU, de um lado, e do desgaste público pela falta de atendimento, de outro. O erro de um contato temporário com a FUNAM será corrigido com gestão na mão do governo, para o bem ou para o mal – a exemplo do que foi feito com o próprio HU desde dezembro de 2018, quando também por uma decisão da Justiça, o time do Gamp foi tirado de campo para que a prefeitura assumisse.

Ainda podem aparecer cobras e lagartos desses quatro meses de FUNAM no HU – a organização social assumiu, por coincidência, em 27 de janeiro -, mas o que se visulumbra com a chegada da comissão de intervenção são tempos, no mínimo, melhores. O blog, claro, acompanha.

Como morador da cidade e usuários dos serviços públicos de Saúde, espero que esse episódio sirva para que a próxima licitação garanta segurança na contratação de uma empresa que tenha, de fato, capacidade para tocar uma estrutura como o HU. Não dá para ser leviado e acusar a FUNAM de vigarices – mas que o tamanho do 'B.O.' era maior do que a capacidade da turma que veio de Minas, isso era.

Aliás, ainda é. 

 

Quem é a comissão de intervenção

Os interventores nomeados pelo prefeito em exercício Nedy de Vargas Marques são: Juceila Dall'Agnol, Assessora Superior do Núcleo Jurídico; Ana Macedo, secretária Adjunta da Saúde; e Luis Davi Vicenzi, Secretário da Fazenda.

O trio tem a missão de apurar já no final de semana qual a realidade do atendimento no HU. e medidas urgentes para colocar as coisas em dia. Para isso, tem plenos poderes conferidos pela Justiça para utilizar os recursos em conta à disposição da FUNAM, manter o quadro funcional e médico e os contratos em vigor. 

Um diagnóstico deve ser apresentado ao prefeito Nedy já nos próximos dias.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade