Segurança Pública

CANOAS | Inteligência contra o crime: o arsenal de informação, tecnologia e estratégia do delegado Wendt em Canoas

Secretário de Segurança Emerson Wendt no Observatório de Segurança: informações ajudam no combate à violência e na prevenção. Foto: Rodrigo Becker

Secretário de Segurança comemora a estruturação do Observatório de Segurança e usa a informação como arma no combate à bandidagem

Emerson Wendt, delegado de Polícia e ex-chefe de Polícia do Estado, quando recebeu o convite de Jairo Jorge para ser secretário de Segurança de Canoas, deve ter visto no gesto do então prefeito eleito uma oportunidade. Prestes a completar o oitavo mês à frente da pasta, se percebe com clareza para onde quer levá-la. O uso da tecnologia, das informações estatísticas e o aproveitado de todos os recursos que as câmeras espalhadas pela cidade podem oferecer, fazem da secretaria uma alidada no combate ao crime na cidade. Wendt, no entanto, mira mais: o alvo dele é a prevenção.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | 6 perguntas para o ’Casal 20’ da Feira do Livro: a alegria em dias tediosos de pandemia

CANOAS | Camilo Bornia no divã

 

Um dos instrumentos de inteligência em operação na secretaria é o Observatório de Segurança Pública. Em parceria com a Universidade La Salle, o Observatório conta com o trabalho técnico de um antropólogo, um geógrafo, um sociólogo e um especialista em políticas públicas. Com os dados e os relatórios gerados ali, a Prefeitura pretende ampliar seus programas de prevenção – a Cidade do Cuidado, como define o delegado Wendt. "Partimos para a prevenção de crimes a partir das áreas onde mais aconteceu com políticas públicas e acolhimento às vítimas", conta.

O secretário revela, ainda, que ainda 2021 deve ser lançada a primeira Pesquisa de Vitimização em Canoas, um documento que irá refletir com mais precisão a incidência de crimes e violência na cidade. "A proposta da pesquisa é porque não se registra a ocorrência. De certa forma, a sociedade naturaliza a violência", avalia. 

As informações da pesquisa devem, ainda, subsidiar políticas públicas de prevenção e a ação dos órgãos de segurança, como a Polícia Civil e a Brigada Militar. Por indicarem onde os crimes acontecem que não são informados à polícia, a Pesquisa de Vitimização permitirá ações específicas em determinadas regiões ou grupos sociais da cidade com o objetivo de reverter o panorama do 'deixa assim' que eventualmente se estabeleceu.

 

Tecnologia e vigilância

Emerson Wendt também anunciou que vão entrar em operação mais 97 câmeras de vigilância na cidade e um programa para permitir o uso de câmeras particulares pelo sistema público de monitoramento. As 36 câmeras do cercamento eletrônico ganharão o reforço de mais 24, dotando a cidade de tecnologia para vigiância. "Um dos nossos problemas era a rede de dados e até algumas câmeras que não permitiam imagens em alta definição", conta o secretário. "Com os recursos que temos, conseguimos identificar um carro roubado pela placa assim que entra no sistema. E como tudo está integrado, a Polícia Civil e Militar recebem essa informação online".

 

 

 

Guarda vai se tornar uma 'polícia municipal'?

"No futuro, acredito que sim. Não agora", comenta o delegado. Com a prioridade que as prefeituras tem dado à Segurança Pública, mesmo que o assunto seja competência estadual e federal, o caminho para que no futuro as políciais municipais sejam instaladas está pavimentado. "Hoje, nossa atribuição é proteger os próprios municipais. Auxiliamos as polícias no que nos cabe. Mas acredito que, no futuro, essas competências serão ampliadas".

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Receba nossa News

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade