Novelão Sogal

CANOAS | Porque Sogal resiste ao acordo: a ação milionária e a ’invertida’ na pressão

Termina à tarde o prazo para que empresa dê o seu 'ok' formal ao acordo que prevê ainda a licitação do seletivos em troca da compra de R$ 3,6 milhões em passagens

A pressão, agora, se inverteu. Se antes rodoviários com salários atrasados colocavam em xeque a paciência de passageiros e testavam a determinação do governo sobre o socorro à Sogal, agora os próprios funcionários é que devem pressionar os patrões pelo 'sim' ao Termo de Composião proposto pelo governo nesta quinta-feira, 23, e que o blog antecipou na terça, no post O ’plano-bombeiro’ de JJ: Prefeitura oferece ajuda à Sogal, mas quer licitar seletivos e por fim à alção milionária. Em nova rodada de negociação, Sogal e Sindicato dos Rodoviários não bateram o martelo sobre o pacto e saíram de lá com um ultimado do prefeito Jairo Jorge: 24h para dar o 'ok' por escrito – ou a proposta de nova compra de passagens será retirada da mesa.

Em outras palavras, agora é a vez da Sogal ceder.

Sem o socorro de R$ 3,6 milhões, companhia de ônibus não tem como por salários em dia, nem garante que só com a arrecadação das roletas tenha condições de quitar suas obrigações até o final do ano. Trocando em miúdos, depende da ajuda do governo para manter a operação do transporte sem por a mobilidade no município em colapso.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Como vai ser a vacinação para os 16+ nesta sexta-feira

CANOAS | Com 7 em cada 10 canoenses vacinados, ocupação das UTIs é a menor do ano – só não dá para bobear

 

O blog apurou que a empresa resiste especialmente à exigência do governo para que desista de ações milionárias que move contra o município. Em dezembro de 2017, a Sogal cobrava de Canoas o equivalente a R$ 26 milhões a título de desequilíbrio financeiro do contrato assinado em 2008, no final do governo Marcos Ronchetti. A ação foi usada como argumento em dezembro de 2019 quando o contrato foi prorrogado mais uma vez, até final de 2023, em uma barulhenta e inesquecível sessão na Câmara de Vereadores.

A empresa não fala publicamente sobre o assunto, mas estaria disposta a entregar a concessão dos seletivos se puder manter a primazia sobre o pleito judicial. O blog já classificou esta ação como uma 'poupança' para quando a concessão for encerrada, mas não vê justiça em indenizar a empresa quando há anos o transporte coletivo em Canoas está longe de apresentar qualidade. 

De parte do sindicato, o presidente da entidade, Marcelo Nunes, já disse que a categoria vê com bons olhos o acordo. "Para nós, o importante é que haja condições de recebermos em dia. Com os repasses, isso está garantido", avalia. Ele também precisa assinar o Termo de Composição que, com todas as partes acordadas, será enviado ao Ministério Público para o acerto de um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, que é o documento em que partes de um inquérito ou ação civil pública se comprometem em fazer algo para superar o litígio. O debate sobre o transporte coletivo está sendo liderado pela promotora Dra. Débora Rezende Cardoso, que já comandou três audiências entre as partes.

“Tenho o compromisso de fazer uma nova licitação para mais empresas até 2023, quando se encerra o contrato atual, firmado em 2008 e renovado em 2019, pela gestão anterior", disse o prefeito Jairo Jorge por meio de sua assessoria, nesta quinta, 23. "Quando assumi em 1º de janeiro, os rodoviários estavam em greve. Desde lá procurarmos mediar os conflitos e melhorar o transporte coletivo na cidade."

Agora é a hora da Sogal fazer a sua parte.

 

O acordo

No Termo de Compromisso, o governo propôs a compra antecipada de passagens para uso em um novo programa social de combate ao desemprego e retomada do desenvolvimento, que irá beneficiar 10 mil moradores de Canoas. Através delem serão adquiridas 768.750 passagens – um investimento total de R$ 3.690.000,00.

O pagamento será realizado em cinco parcelas:

– R$ 1.530.000,00 até 30/09/2021
– R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de outubro
– R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de novembro
– R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de dezembro
– R$ 810.000,00 até o 5º dia útil de janeiro de 2022.

Em contrapartida, a empresa Sogal deverá:

– Desistir da concessão do transporte seletivo – as linhas amarelinhas – sem receber qualquer tipo de indenização e utilizar os 14 veículos usados nesta modalidade no transporte convencional, a fim de aumentar a frota em circulação. A medida é crucial para que a Prefeitura possa, em até 90 dias, abrir licitação para outra empresa operar o sistema seletivo e romper o monopólio dos ônibus na cidade.

– Melhorar imediatamente a qualidade do serviço prestado com retorno da frota ao patamar anterior à pandemia.

– Adotar o modelo de cogestão por meio de uma Junta Administrativa e Financeira, para que a Prefeitura possa monitorar os custos e pagamentos da empresa.

– Desistir das ações judiciais da empresa contra o Município.

A proposta da Administração Municipal também prevê a contratação de outro sistema de bilhetagem, a fim de gerar mais competitividade e economia ao usuário.

A Prefeitura ainda lançará o Programa de Financiamento das Gratuidades, em que vai subsidiar e regular as passagens para idosos de 60 a 64 anos, pessoas portadoras de necessidades especiais e estudantes. Será criada uma comissão para avaliar situações pontuais sem prejudicar as pessoas que tiverem mais necessidade.

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »