Mudança de comando

CANOAS | Por que Jairo Jorge só foi para casa depois das 2h da madrugada

Prefeito vistoriou hospitais, UPAs e CAPS que trocaram de comando à meia-noite desta quinta-feira

Não, Jairo Jorge não foi ao baile funk – nem se tem notícia de que seja um grande pé-de-valsa, mas isso também é assunto da nossa conta. Mas então por que o prefeito só foi para casa depois das duas da manhã? Explico. Nesta quarta-feira, 26, depois da coletiva de impresa que explicou os detalhes da troca de comando nos hospitais, UPAs e CAPS da cidade e deu um ponto final à Era Gamp em Canoas, o prefeito e o grupo que o assessora na área da Saúde, entre eles o secretário Felipe Martini – Maicon Lemos, titular da Saúde, está afastado para tratar H3N2 -, combinaram de vistoriar as primeiras horas do novo serviço. 

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | ’Meia noite encerra a Era Gamp’, diz JJ; a Saúde e o ornitorrinco

CANOAS | E no meio da rua tinha um bueiro ’lacrado’ com cimento…

 

Havia uma preocupação com o atendimento no Pronto Socorro, onde parte da equipe médica não estava concordando com a forma de contratação proposta pela Aceni, entidade que agora faz a gestão do HPSC. Durante a semana, em reunião na Prefeitura, Jairo determinou que a solicitação dos médicos fosse atendida e o problema acabou contornado. "Parte dos médicos preferiram manter o vínculo como celetistas e outros com PJ. Então foi feito assim: quem queria CLT, terá CLT; e quem quer PJ, terá PJ", contou o prefeito.

Na prática, muda apenas a forma de contratação. Celetistas são os contratados com carteira assinada e recolhem impostos como qualquer trabalhador formal. Os PJ – ou Pessoa Jurídica – são contratados como empresa e, por fim, equiparados a prestadores de serviço. Essa modalidade, no caso de médicos e profissionais liberais, vem se tornando cada vez mais comum porque permite uma tributação menor se comparada ao trabalhador assalariado – mas não dá direito a FGTS, por exemplo, nem às demais verbas rescisórias em caso de demissão futura.

Até por volta das 9h desta quinta-feira, 27, não houve qualquer problema de atendimento no HPSC por falta de médicos. A Aceni segue a contratação de mais 257 profissionais – não só para o corpo clínico, diga-se – para completar todas as escalas. Enquanto isso, a entidade manterá o serviço com horas extras e extensão de turnos.

No HU, onde falta apenas 66 profissionais para completar o quadro de funcionários, o impacto da mudança não gerou qualquer turbulência. Nos próximos dias ainda haverão ajustes de escala e recomposição de serviços. De acordo com o prefeito, a meta é voltar a ter o número de procedimentos, internações e atendimentos registrados em 2015, quando o hospital foi administrado pelo Grupo Mãe de Deus. O HU, no entanto, é a referência para tratamento de pacientes com Covid-19 e todo o conjunto de procedimentos eletivos está suspenso em razão da pandemia.

Nas UPAs e nos CAPS o atendimento seguiu normal durante a noite, sem registro de intercorrências em razão da troca na gestão.

Bom de dança ou não, Jairo Jorge pode voltar para casa aliviado: o 'tchau, querida' para o Gamp está consumado.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »