Mudanças Climáticas

CANOAS | O sonho de Oskar Coester que vira tema de casa para líder mundiais na COP26

Aeromóvel movido como um 'barco a vela invertido' participa do estande brasileiro na conferência da ONU sobre mudanças climáticas na Escócia

Não foi Jairo Jorge, mas Hugo Lagranha, o primeiro prefeito de Canoas a imaginar que a cidade poderia ser atravessada de ponta a ponta por um veículo sustentável e de construção mais barata do que o metrô. E depois de um encontro com o empresário Oskar Coester, que já havia feito experimento na Avenida Loureiro da Silva, em Porto Alegre, nos anos 80, Canoas ganhou em 1992 o primeiro estudo sobre o transporte de passageiros em veículos sobre trilhos elevados e propulsão a ar – o aeromóvel.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | ITBI com a conta na ponta do lápis: Jonas quer cálculo pelo valor do negócio ou justificativa da prefeitura

CANOAS | Estoque Aberto: a ideia que abre a tampa da transparência e deve inspirar vereadores RS afora

 

O mesmo sistema será apresentado no estande brasileiro na COP26, a Conferência das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas, iniciada no domingo em Glasgow, na Escócia. Uma das metas do encontro é o endurecimento de regras contra a emissão de poluentes e CO² na atmosfera, o que implica na adoção de sistemas de transportes eficientes e, ao mesmo tempo, menos poluentes. É o caso do aeromóvel, que usa eletrecidade para movimentar os motores que impulsionam os veículos. Eles funcionam como uma espécie de 'barco a vela invertido': pás posicionadas abaixo dos veículos são literalmente empurradas pela força do deslocamento de ar produzido pelos motores – ventiladores industriais que geral energia suficiente para fazer os veículos subirem aclives de até 12% mesmo com a máxima lotação.

"Esse sistema tem uma dupla função. Como a pá fica para baixo, ela também garante a segurança do veículo, que não descarrila", conta Marcus Coester, filho de Oskar e CEO da Aeromóvel do Brasil, a empresa montada pelo pai no final da década de 70 e detentora da patente do sistema.

Marcus conta que de 1992 a 2013, foram feitos seis estudos para dotar a cidade de um aeromóvel. "O Lagranha foi o primeiro a procurar o meu pai para falar sobre isso", revela. Na época, 1992, se pensava em uma rota entre os bairros Mathias Velho e Guajuviras, semelhante ao que foi licitado em 2016 pelo prefeito Jairo Jorge – que é o projeto atual e mais adiantado de implementação do modelo na cidade. 

Esse projeto é o que está sendo formatado para virar uma PPP – parceria público-privada. O governo pretende encontrar investidores que assumam a execução das linhas em troca da exploração do serviço – e o que está sendo discutido lá em Glasgow, de certa forma, ajuda nisso.

Se o mundo procura por soluções de mobilidade eficientes ambiental e economicamente, o aeromóvel tem tudo para virar o 'tema de casa' para líderes mundiais nos debates na Escócia. É a etapa que falta para o modelo deixar de ser visto apenas como uma ligação entre modais – como no caso da linha que liga o aeroporto Salgado Filho à estação do Trensurb, em Porto Alegre -, ou um equipamento turístico, como em Jacarta, onde funciona em um parque público desde 1989.

O sonho de Oskar Coester, às vésperas de completar um ano de seu falecimento em 17 de novembro, está prestes a se impor diante do desafio globar de poluir menos para sobreviver mais.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »