Política

CANOAS | O que vale e o que não vale a pena no convite do União Brasil a Busato

Ao ex-prefeito foi oferecida a presidência do novo partidão de direita no Estado e ele pediu alguns dias para pensar

Quando recebeu via Embratel o convite de ACM Neto para ser o novo presidente do União Brasil no Rio Grande do Sul, Luiz Carlos Busato não escondeu a surpresa. Era o alvo certo, no entanto. Dissidente de Roberto Jefferson e com a experiência de já ter comandado o PTB gaúcho por praticamente uma década, é o nome que a partido que nasceu da fusão entre DEM e PSL quer levar adiante seus planos para o RS. 

Busato prometeu pensar.

Se aceitar, Busato volta imediatamente às mesas de negociação política que envolvem as candidaturas ao governo do Estado e à presidência da República no ano que vem. O União Brasil tem em Luiz Henrique Mandetta, o ex-ministro da Saúde que virou figura pop ao discordar frontalmente do presidente Jair Bolsonaro, a sua trinca de paus para disputar o Planalto – mas não há um nome resolvido para o Piratini. Onyx Lorenzoni, capitão do falecido DEM, deve sair assim que Bolsonaro decidir seu rumo partidário, levando consido boa parte dos democratas; do PSL, os nomes mais conhecidos não abrem mão de uma candidatura a deputado estadual ou federal – o que deixaria Busato com o caminho livre para estar ao lado do amigo e pré-candidato Ranolfo Vieira Jr., recentemente filiado ao PSDB de Eduardo Leite.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Reforma da Previdência: o equilíbrio e a polêmica

CANOAS | Mota e a espera pelo caminho do capitão

 

Para os planos de concorrer a deputado federal ano que vem, a escolha pelo União Brasil precisa ser bem avaliada. Tanto PSL como DEM elegeram deputados federais com votações expressivas – o que certamente entra na matemática eleitoral do político que passou quatro anos como prefeito de Canoas e seis desde a última vez que pediu votos para ir a Brasília como congressista gaúcho.

No outro lado da balança, Busato tem um acordo praticamente fechado com o Republicanos – partido que vem namorando desde março, quando houve a crise com Roberto Jefferson e a implosão moral do PTB gaúcho. A resistência ao nome do ex-prefeito, que vinha especialmente de Beth Colombo, não existe mais: a ex-vice de Jairo Jorge já admitiu ao blog que "não se pode viver eternamente em 2016", deixando claro que não fará movimentos para impedir a chegada de Busato e sua turma no partido pelo qual ela tentará uma cadeira na Assembleia Legislativa no ano que vem.

Outro nó nessa escolha é a chance – grande, diga-se de passagem – de o União Brasil se tornar um 'saco de gatos' no Rio Grande do Sul. Parte do PSL é oposição a Bolsonaro e parte o apóia com unhas e dentes; o DEM que deve obediência a Onyx sai com ele até o final do ano; os que ficam podem dar a Busato uma eterna crise de identidade a ser resolvida – o que, convenhamos, o ex-prefeito não precisa.

Em todo caso, é uma proposta de se pensar.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »