Transporte

CANOAS | O que os rodoviários pedem de aumento no dissídio – e a Sogal já diz que não tem para pagar

Em reunião da Junta Governativa, representantes da categoria levaram à mesa a pauta de reivindicações que incluem reposição e aumento por nova função

Não precisa ser muito entendido em gestão para saber que a negociação salarial dos rodoviários, este ano, vai demorar. Com a empresa – a Sogal – a beira de um precipício de dívidas e vivendo do que consegue colher de subsídio público, o discurso do 'não temos o que fazer' já se ouve sem rodeios pelo pátio na Armando Fajardo. 

O problema é que os rodoviários de Canoas estão há mais de dois anos sem reposição em seus salários. E qualquer dona de casa sabe o que significa o peso da inflação apertando o soldo todo final de mês; sem falar que ao longo de 2020 e 2021, motoristas e cobradores ficaram meses recebendo pingado, com atraso e sem perspectiva.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | JJ vai presidir o Conectar; em Curitiba, pauta-bomba é o financiamento do transporte

CANOAS | Não fosse a pandemia, Canoas já teria OP de novo

 

O pedido da categoria, entregue pelo Sindicato dos Rodoviários na semana passada em reunião da Junta Governativa, é 14% de reposição nos salários – o que dá a inflação dos últimos dois anos, de janeiro a janeiro – e 22% de aumento para a nova categoria dos 'motcob', ou seja, dos motoristas que agregaram a tarefa dos cobradores com a extinção dessa função. A Sogal saltou da cadeira e disse, com todas as letras, que não tem como pagar.

Sobrou para o pepino para o governo.

A Prefeitura já vem bancando gratuidades como forma de subsidiar o transporte público. Os valores, que chegam à casa dos R$ 8 milhões, só são suficientes para 'manter o sistema em pé'. Trocando em miúdos, mesmo com a injeção de grana, não há melhorias. E, provavelmente, não haja margem para repor perdas ao salário dos rodoviários.

Então, quando o transporte vai melhorar? Na minha opinião, só com a nova licitação, no final do ano que vem. É ela que vai determinar um novo modelo que se torne viável, com financiamento definido não apenas pelo valor da tarifa, mas incorporando subsídios e outras fontes de renda. Sim, subsídio – quem torce o nariz, melhor se acostumar; não haverá transporte público eficiente se não houver aporte de recursos do governo no sistema. 

O que se faz, então, quando a reivindicação é justa mas não há como atender? É a resposta que se espera para essa interminável novela chamada Sogal.

Em breve, um novo capítulo.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »