Transporte

CANOAS | O ’plano-bombeiro’ de JJ: Prefeitura oferece ajuda à Sogal, mas quer licitar seletivos e por fim à ação milionária

Plano pode dar a dianteira ao governo na tentativa de abrir licitação para o transporte na cidade, quebrando indiretamente o monopólio da Sogal em Canoas

Oficialmente, o governo só vai falar sobre o plano para o transporte entre a quarta e a quinta-feira, 23, depois que Sogal e o Sindicato dos Rodoviários derem o aceite formal às medidas. Os principais pontos da ideia, no entanto, o blog antecipa aqui – primeiro com a informação e, em seguinda, o comentário.

 

1.
Licitação dos Amarelinhos e novo subsídio

O primeiro ponto do plano é, na verdade, uma exigência: a de a Sogal devolva a concessão que detém sobre o transporte seletivo – os Amarelinhos. A prefeitura faria, então, uma licitação até o final de 2021, abrindo, quem sabe, a possibilidade de mais de uma empresa explorar o serviço. 

A medida serviria como uma espécie de 'quebra' indireta do monopólio da Sogal, oferecendo mais opção aos moradores da cidade, embora a empresa ainda ficasse responsável pelo meio mais barato, que é o transporte coletivo.

Em troca, a Prefeitura faria uma nova compra de passagens no valor de R$ 3,6 milhões pagos em parcelas de setembro a janeiro. As passagens devem ser usadas para alimentar um novo programa de auxílio a moradores do município. O formato e o período do programa ainda não foram divulgados.

2.
Gratuidades

A Prefeitura ainda propõe o pagamento das gratuidades – os idosos entre 60 e 65 anos, deficientes e acompanhantes. O plano é limitar a 20 o número de passagens para que não seja preciso eliminar o benefício. Em caso de necessidade comprovada de mais passagens, a Prefeitura faria uma análise caso a caso.

 

3.
Ação milionária

A Sogal também teria que desistir de um processo aberto em 2017 que cobra R$ 26 milhões da Prefeitura a título de 'desequilíbrio financeiro'. O valor, que ainda pode ser corrigido, é referente ao contrato encerrado em dezembro de 2018 e esteve entre as razões para que o Ministério Público recomendasse a ampliação do contrato naquele fatídico dia de dezembro em que os rodoviários pararam a cidade para pressionar pelo 'sim' dos vereadores à prorrogação na Câmara.

4. 
Junta e bilhetagem eletrônica

A prefeitura ainda quer um 'ok' formal da empresa para contratação de um novo serviço de bilhetagem eletrônica e a manutenção da Junta Governativa junto à gestão da empresa.

Comento.

Jairo Jorge foi bombeiro: o plano do prefeito é um 'apaga o incêndio' vivido pela Sogal há mais de um ano – mas se mostra capaz de manter o transporte funcionando, os salários voltarão a ficar em dia e a operação pára em pé até a licitação definitiva, em 2023. 

De quebra, a Prefeitura ainda se livraria do risco que representa a ação indenizatória que a Sogal move contra o município e que é uma espécie de 'poupança de ouro' dos acionistas da empresa para quando a concessão for encerrada. Seria cômico não fosse trágico os canoenses terem que indenizar a concessionária depois de anos amargando um transporte de baixa qualidade e que, vez ou outra, não vem.

Jairo ainda traz à baila o tema das gratuidades/subsídios, tão questionados publicamente, mas que farão parte do diálogo sobre transporte daqui para frente com maior frequência. Sem torcida nem secação, transporte custeado apenas pela tarifa é impraticável em qualquer lugar do mundo – mas só no Brasil é que se insiste em negar isso.

O respeito ao bolso dos contribuintes, nesse caso, é um serviço que funcione. O socorro do governo ao transporte não deve ser visto como um beneplácito à Sogal, mas apesar dela, para que essa fase passe o mais breve possível.

Chega logo 2023.

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »