Saúde

CANOAS | O ’passo-atrás’ que Canoas aguarda para lançar edital da gestão dos hospitais

Plano é licitar em breve entidade que assuma HPSC e HU, livrando a cidade do Gamp – mas ainda é preciso uma definição sobre o financiamento da atenção hospitalar por aqui

Já anunciada pelo prefeito Jairo Jorge, os editais que vão licitar a gestão do Hospital de Pronto Socorro de Canoas, o HPSC, e do Hospital Universitário, o HU, devem sair nas próximas semanas com a promessa de uma série de novidades em relação ao que é feito normalmente nesse tipo de certame – e com o ganho adicional de eliminar da cidade a Gamp, o Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública. Centro de um escândalo político que derrubou uma secretária de Saúde no finalzinho de 2018, o Gamp é apontado pelo Ministério Público como responsável por desvios na Saúde na ordem de R$ 40 milhões – quase 10% dos R$ 486 milhões que havia recebido dos cofres públicos de dezembro de 2016 a janeiro de 2019.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Roubo de carros cai quase pela metade em nove meses

CANOAS | Sessão mais longa de 2021 aprova Reforma da Previdência: preocupação com o presente e o futuro, diz Cannas

 

Quem vencer a concorrência deve atender ao plano assistencial dos hospitais, ou seja, garantir profissionais e serviços suficientes à demanda da cidade. Nesse caso, o município atua como contratante e fiscal do contrato; se determinar que deve haver um mutirão de cardiologia, por exemplo, o gestor organiza tudo e faz os proedimentos – enquanto o município paga por eles o valor acertado em contrato. 

Vale lembrar que Canoas serve de suporte à 179 cidades gaúchas – o equivalente a 56% da população do Estado. E é aí que o edital 'emperra'.

O município ainda aguarda um recuo do Estado no Programa Assistir, lançado em agosto e alvo de controvérsia com os municípios da região metropolitana. O programa reparte os recursos da Saúde pela produção dos hospitais informada em 2019 – ou seja, antes da pandemia. Canoas teria uma queda brusca de 3 em cada 4 reais que recebe do Estado para financiar a atenção hospital de média e alta complexidade. Sem esse dinheiro pingando no caixa da Prefeitura, não há como manter o HPSC e o HU – lançando edital ou não.

O governo municipal espera que ainda esta semana haja a definição por um adiamento das regras do Assistir – que é o plano defendido pela Granpal, a Associação dos Municípios da Grande Porto Alegre. Jairo Jorge e o vice, Nedy de Vargas Marques, já pontuaram em mais de uma das reuniões da entidade que em 2019 não faziam parte da gestão e, portanto, não tinham controle sobre a produção dos hospitais, à época. Se o programa levar em conta o ano de 2021 e alta ocupação durante a pandemia, a produção em Saúde de Canoas dá um salto: lembrem-se, no auge da guerra contra a Covid-19, a cidade chegou a dispor de 194 UTIs e 200 leitos de enfermaria exclusivos para pacientes em tratamento da doença. O sonho da Jairo e Nedy, no entanto, é manter a pactuação original, feita ainda em 2011.

Pelo que o blog apurou, o atual financiamento dos hospitais é feito com 50% dos serviços de Saúde de média e alta complexidade pagos pelo caixa do Estado; 25% vem da União e 25% da Prefeitura. Esse acordo existe justamente para que Canoas seja a referência das 179 cidades que não possuem estruturas como um pronto-socorro ou como a do HU. 

Manter o acordo original o governador Eduardo Leite ainda não admitiu que fará. Mas adiar a vigência do Assistir – que começaria em outubro mas ainda está na geladeira – já é um indicativo de que se sensibilizou com o pedido dos prefeitos da região (os que não perdem grana para as despesas da Saúde, ganham pacientes de cidades em que serviços serão fechados, como é o caso de Porto Alegre).

É essa definição que 'emperra' o edital de licitação para nova gestão dos hospitais de Canoas.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »