Partidos

CANOAS | Mota e a espera pelo caminho do capitão

Presidente do DEM não bebe da mesma água servida à fusão de Democratas e PSL, sacramentada nesta quarta – e tem seus motivos

Rodrigo Mota, músico e jornalista que é a cara do DEM em Canoas, não gostou nada da decisão da cúpula nacional do partido tomada nesta quarta-feira, 6, que anunciou a fusão com o PSL. Braços dados com Onyx Lorenzoni e sua candidatura ao Piratini, Mota e a maioria do DEM local aguardam o rumo que Jair Bolsonaro dará à vida partidária e, então, seguirão pelo mesmo caminho. "Estamos com Bolsonaro", diz.

A frase é mais simbólica do que parece. 

Vale lembrar que o PSL foi o berço da chegada do bolsonarismo ao poder, em 2018. Paradoxalmente, foi a partir da chegada ao governo que as relações internas implodiram na sigla. Bolsonaro, que é de levar desaforo para casa, saiu do partido assim que deixou de ouvir o 'sim, senhor' de Luciano Bivar, todo-poderoso presidente do PSL e deputado federal. O partido com uma das maiores bancadas do Congresso é visto como um 'saco de gatos' ideológico, amarrados, até 2018, pela bombástica candidatura do capitão e, de 2018 para cá, por arranjos locais e acordos de cúpula que explicam mais a sobrevivência política de seus dirigentes do que um rumo ideológico claro.

O DEM, reputo, é diferente. Ideologicamente, é o berço da 'direita que pensa o país', embora sua história seja marcada por escolhas pragmáticas, muitas vezes – ou difíceis de explicar, por outras. Nasceu do antigo PFL, que era parte a parte progressista da Arena, partido que deu sustentação política ao regime militar de 64 a 85. Como disse antes, ao contrário do PSL, o DEM em ideologia e sabe o valor do que pensa.

Para PSL e DEM, a fusão tende a ser boa. O PSL emprestará o tamanho que o DEM nunca teve e o DEM dará pensamento político que, vez ou outra, enrolou as pernas do PSL. Mas o que parece bastante para cúpula nacional, é pouco para o DEM de Canoas – e do RS, como um todo.

"Fomos o único Estado que votou contra essa decisão", conta Mota.

Primeiro porque tanto DEM como o PSL romperam com Bolsonaro. A fusão entre eles deve bancar a candidatura do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta à presidência da República no ano que vem. Segundo, porque é em Onyx que o DEM gaúcho se balisa: e o ministro, faça o que fizer, não largará a mão do capitão.

É por isso que, hoje, Rodrigo Mota, o DEM de Canoas e do Rio Grande do Sul dependem da decisão que Bolsonaro vai tomar para saberem o que os espera nesse horizonte sempre revolto que é a política brasileira.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »