Fim da novela

CANOAS  | Estado muda regra do Assistir e reverte medida que quebraria HU e HPSC; JJ quer mais serviços para ’perda zero’

Anúncio do novo programa de distribuição dos recursos para financiamento dos hospitais foi anunciado aos prefeitos em ato no Piratini

A tarde de terça-feira, 8, trouxe uma boa – senão ótima – notícia para Canoas e 159 cidades que dependem dos hospitais daqui para atender à população que precisa de internações e procedimentos de alta complexidade. O chefe da Casa Civil do Estado, Arthur Lemos, e a secretária da Saúde, Arita Bergamann, anunciaram o adiamento do Programa Assistir e uma redução nos cortes que atingiriam em cheio os hospitais da região metropolina. Em Canoas, por exemplo, HU e Pronto Socorro perderiam, juntos, R$ 86 milhões do dia para noite, o que obrigaria uma redução drástica de praticamente a metade dos serviços prestados nos dois hospitais.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Amplia, amplia: vacina, quarta, é para 6 anos e em mais postos de saúde – confira

CANOAS | Clínicas Covid abrem de domingo a domingo para pacientes com tosse e sintomas gripais

 

O prefeito Jairo Jorge vinha alertando para o caso desde de setembro do ano passado, quando o Assistir foi apresentado pelo governador Eduardo Leite. JJ levou os números à Granpal, a Associação dos Municípios da Grande Porto Alegre, presidida pelo prefeito da Capital, Sebastião Melo. A entidade abraçou a causa e denunciou o que poderia representar uma sobrecarga no sistema de saúde de Porto Alegre e consequente desassistência de pacientes em casos mais graves. 

O corte de recursos atrasou, inclusive, o lançamento do edital para gestão dos hospitais no final de novembro. O impasse sobre o montante de recursos para o financimento dos serviços obrigou a cidade a aditar o contrato com o malfadado Gamp até janeiro e, recentemente, assinar um novo, de forma emergencial, até que uma definição sobre o Assistir desse luz à questão.

Nesta terça, em reunião com a Granpal no Piratini, o Estado anunciou que até o final de junho deste ano, nenhum centavo será cortado dos hospitais gaúchos. Municípios da Grande Porto Alegre que perderiam R$ 205 milhões, terão uma redução estimada em R$ 34,8 milhões – ou 17% do previsto. E isso diluído em um ano, até julho de 2023.

Melo, que estava ao lado de Jairo na reunião com Arthur Lemos, disse que a entidade irá conversar com todos os candidatos ao governo do Estado nas eleições deste ano, manifestando a intenção das cidades da região em zerar as perdas.

Jairo, por sua vez, antecipou em um vídeo distribuído pelas redes sociais que pretende viabilizar novos serviços junto ao HU e ao Pronto Socorro, o que poderia ampliar o repasse do Estado e equalizar a perda. Com o assunto Assistir resolvido, o prefeito espera lançar o editar para gestão definitiva dos hospitais de Canoas até a segunda semana de março. A expectativa, agora, é o que pode ser proposto para driblar a perda que caiu de R$ 86 milhões para R$ 14 milhões – mas, ainda assim, é uma perda considerável.
 

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »