O mosquito tá aí

CANOAS | Dengue: ’surto cíclico’ explica aumento de casos – 788 estão em investigação

Diretora de Vigilância em Saúde explica aumento de casos em Canoas, conta porque o fumacê não é em toda a cidade e diz o que está levando à demora na confirmação de casos

O Aedes aegypti está zunindo por aí – e, com ele, os casos de dengue em Canoas. Nesta sexta-feira, 29, a Prefeitura confirmou 73 casos da doença em moradores da cidade, sendo 15 contaminados fora e outros 58 locais. O número total, no entanto, pode ser bem maior: 788 notificações já foram enviadas à Vigilância em Saúde. Cada vez que um paciente apresenta sintomas da doença, médicos da rede pública ou privada são obrigados à notificar os casos.

A demora nas confirmações, no entanto, tem um antigo personagem em sua origem: o Lacen, o Laborário do Estado. É lá que são feitas as análises de sangue para todos os casos suspeitos. E como há uma alta demanda, a demora acontece – e dificulta um acompanhamento mais rigoroso da expansão da doença.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Dia do Trabalhador terá shows, doação de mudas, oficinas e até vagas de emprego no Eduardo Gomes

CANOAS | Governo abre plano para congelar passagem: subsídio fica para que não se pague mais de 5 pilas na roleta

 

De acordo com a diretora da Vigilância em Saúde de Canoas, Elisiane Amorim, o bairro Mathias Velho segue na dianteira com o maior número de casos confirmados: são 34 casos, e outros 5 no Harmonia, que fica do lado. A região de Guajuviras, São José e Igara registrou 7 casos do início do ano até 28 de abril. Os demais estão espalhados por toda a cidade.

"Todos os pacientes que chegam ao serviço de Saúde estão sendo acompanhados, mesmo que a confirmação do exame não tenha vindo", conta Elisiane.

Mas o que acontece para que Canoas tenha esse salto de suspeitas de dengue?

"A dengue é cíclica", explica a diretora da Vigilância. "A cada três anos, temos um surto e precisamos estar preparados".

Segundo ela, a Prefeitura segue fazendo ações preventivas ao aumento de casos especialmente nos bairros onde se confirmaram os contágios. "Fazemos uma varredura em locais propícios ao surgimento do mosquito a cada 15 dias. Todos os mês, enviamos essa informação ao Estado. Não estamos inerter", afirma.

Elisiane informa que a Prefeitura conta com 44 agentes de combate à endemias – os famosos 'agentes da dengue' – que monitoram locais e fazem a orientação às pessoas sobre como combater o mosquito transmissor. "Estamos contratando mais 100 agentes para ampliar o nosso quadro", adianta.

Combate à dengue: todos podem ajudar

Elisiane Amorim explica, ainda, que o combate ao mosquito deve ser feito evitando acúmulo de água em potes ou pratinhos de plantas, pneus abandonados, caixas d'água sem tampa e piscinas sem tratamento com cloro. "Mesmo que água fique verde, precisa usar o cloro", recomenda.

São nesse locais que os mosquitos costumam depositar seus ovos. Eles sobrevivem por até dois anos nas paredes de um pote plástico, por exemplo, a espera de condições favoráveis. E uma delas é, exatamente, a presença de água. Quando ela chega onde os ovos estão, eles eclodem – o que é mais comum períodos como o início do outuno e o final da primavera, com calor mas sem o 'torrão' do verão.

As larvas levam 10 dias para se transformarem em mosquitos que, depois, vivem por um mês. Uma única fêmea produz de 60 a 120 ovos em cada ciclo reprodutivo e pode ter mais de três ciclos durante sua vida.

Por isso, é fundamental a limpeza de calhas, por areia nos potinhos de plantas onde a água possa acumular, tampar caixas d'água e tratar piscinas – mesmo durante o inverno. Sem esses cuidados, a dengue vence.

Fumacê não é recomendado para todos os lugares

Nas últimas semanas, com o aumento de casos suspeitos, a Prefeitura começou a detetizar locais específicos da cidade – o famoso 'fumacê'. Segundo Elisiane Amorim, esse método é o recomendado pelo Ministério da Saúde apenas nas proximidades de casos confirmados. "A aplicação de inseticida é feita em um raio de 150 metros da residência que tem um caso confirmado, sempre entre 7h30 e 9h", revela. O horário tem a ver com o hábito do mosquito: é nesse intervalo de tempo que ele costuma 'estar em vôo', em busca de alguém desavisado para, literalmente, chupar o sangue. "No final da tarde ele também costuma atacar. Nos horários mais quentes ou durante a noite, não é frequente.".

Elisiane conta, ainda, que o fumacê não pode ser aplicado em todos os lugares indiscriminadamente, como questionam alguns moradores. "O inseticida não mata apenas o Aedes aegypti: ele mata todos os insetos. Isso causa desequilíbrios na natureza", esclarece. Em um vídeo mostrado ao blog, colmeias inteiras de abelhas foram dizimadas com a aplicação do fumacê para combate à dengue – o que certamente inibirá a procriação de flores na região, afetando, também, a produção de mel.

"Nossas ações de combate à dengue nem sempre são visíveis, mas são permanentes. Contamos sempre com a ajuda da comunidade para eliminar em suas casas os possíveis focos do mosquito", finaliza Elisiane.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »