Perda milionária

CANOAS | Contra corte na Saúde, Granpal quer mesa de diálogo com Leite, mas se a conversa não resolver, vai à Justiça

Associação dos Prefeitos vai pedir revisão técnica no Programa Assistir, lançado pelo Governo do Estado e que implica em perdas milionárias para Canoas

E uma ação judicial contra os mais de R$ 167 milhões em perdas somente em 2021, claro, não está descartada. A decisão da Granpal, a Associação dos Municípios da Região Metropolitana, foi tomada em reunião na manhã desta quinta-feira, 19, em Cachoeirinha. Os prefeitos querem a abertura de uma mesa de diálogo técnica com o Governo do Estado, mas a medida mais extrema – a de recorrer à Justiça – surgiu com certa desenvoltura sobre a mesa.

Para entender o caso, vejamos.

No início do mês, o governador Eduardo Leite lançou o Programa Assistir. Na prática, a medida redistribui o complemento estadual aos valores repassados aos hospitais por procedimentos de média e alta complexidade. O novo formato de rateio já valeria a partir de setembro deste ano e leva em conta a produção dos hospitais no período imediatamente anterior à pandemia, ou seja, o último trimestre de 2019.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Depois de casos suspeitos de Covid em escolas, Prefeitura vai testar professores da Irmão Pedro e Barão de Mauá

CANOAS | Saudade de uma baladinha: vacinação terá drive na madrugada de sexta para sábado

 

Com isso, o Hospital Universitário  – HU – e o Hospital de Pronto Socorro de Canoas teriam perdas estimadas pela Prefeitura em aproximadamente R$ 6 milhões por mês. Até o final de 2024, a queda no faturamento dos serviços hospitalares poderia chegar a casa dos R$ 256 milhões, inviabilizando 7 em cada 10 internações feitas pelo SUS na instituição hoje.

Seria o caos ou algo pior do que isso.

O plano do governo do Estado é dotar os hospitais do Interior de recursos suficientes para ampliar seus serviços e, assim, evitar a famosa 'ambulancioterapia', que consiste basicamente em mandar os doentes mais graves para tratamentos em Porto Alegre e cidades próximas. Canoas é um dos grandes destinos êxodo de pacientes: 156 cidades gaúchas tem aqui a referência para tratamentos que não dispõe em seus próprios domínios.

Ampliar a saúde pública longe dos grandes centros tem seus aspectos positivos, mas cortar onde o cobertor já é curto aproxima hospitais e cidades inteiras do caos. Há uma semana, o então prefeito em exercício Nedy de Vargas Marques e o secretário da Saúde, Maicon Lemos, participaram de um encontro com a secretária de Saúde do Estado, Arita Bergnam, o chefe da Casa Civil, Arthur Lemos, e os demais prefeitos ligados à Granpal. Saíram de lá com a palavra do Estado de que haveria mais prazo para discutir a questão.

A reunião da Granpal, nesta quinta, foi o primeiro resultado do 'mais prazo'. A partir da discussão dos prefeitos, o pedido de uma mesa de diálogo deve reunir os técnicos do Estado com o das prefeituras. Se encontrarem um caminho para evitar o enforcamento à inanição dos hospitais daqui, será um avanço.

De outra sorte, só restará a Justiça – o tapetão e a dama cega que nos socorre das arbitrariedades.

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »