Educação

CANOAS | Beth Colombo já elegeu seu desafio número 1 na Educação; a história da General Netto 37 anos depois

Secretária completa duas semanas desde a nomeação na pasta que tem o maior orçamento do município – e desfios proporcionais para serem superados

Beth Colombo está empolgada. 

Formalmente há duas semanas no cargo de secretária de Educação – é a quarta vez que ela ocupa a função -, Beth Colombo já fez um mergulho nos desafios que terá pela frente. E basta começar a conversa sobre o trabalho a que se dedica desde o início de março que o papo flui. Com a franqueza de sempre, Beth falou da desistência da candidatura a deputada estadual, do tratamento que ainda faz para combater um câncer de mama e, claro, sobre os planos para a Educação no município. De olho na relação conturbada do professorado com o governo, ela conta como decidiu abrir novas pontes com a categoria e, como era esperado, vai aposta no diálogo para superar eventuais distâncias. E adianta que já escolheu a urgência número 1 para atacar de imediato: a falta de professores.

"Somadas Educação Infantil e Ensino Fundamental, temos uma carência de 150 professores, no mínimo", conta. "Esse é o primeiro desfio. Não dá para atacar os demais problemas sem os recursos humanos em sala de aula".

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Dengue por aqui: 5 casos confirmados e terça já tem fumacê na Mathias; nunca é tarde para se cuidar

CANOAS | A ’bruxaria’ que Busato tem que fazer para não deixar que o União Brasil vire um 'saco de gatos'

 

Na conversa com o blog, a nova secretária antecipou que finaliza a revisão do edital de contratação emergencial para professores que será lançado nos próximos dias. Com ele, a Prefeitura pretende completar o quadro que hoje está aquém da necessidade. "Chamamos todos os concursados disponíveis", diz Beth. E por 'todos' ela quer dizer 'todos mesmo'. O concurso em questão teve o prazo encerrado em 14 de março e não resta ninguém classificado para novos chamados. Ainda há cerca de 80 professores aguardando o processo de nomeação que está suspenso devido a uma ação judicial de um classificado que foi reprovado no exame psicotécnico – o que fez com que a secretaria agilizasse o processo de contratação emergencial.

"Temos uma série de ações programadas e planejadas. Contratamos plataformas para recuperar perdas da pandemia, estamos preocupados com a diferença de idade e série que encontramos na rede. Mas a ação principal, agora, é recuperar os recursos humanos", avalia Beth.

Os planos são muitos e, para isso, a nova secretária precisa contar com professores engajados na sala de aula. Mas como fazer isso diante de uma realidade de distanciamento entre a categoria e o governo? "Diálogo", resume Beth. "Entre hoje e amanhã, tenho outra reunião com o sindicato dos professores. Será a segunda desde que tomei posse. Além disso, convidei as direções das escolas infantis para uma primeira conversa".

"Note que disse convidei, não convoquei", eslarece Beth. "Com franqueza e respeito, acredito que vamos avançar para uma relação de confiança com os professores".

Entre o sonho e o chamado, o chamado

Beth Colombo contou ao blog que o primeiro convite para assumir a Educação chegou a ela pelo prefeito Jairo Jorge ainda no período de formação do governo, no finalzinho de 2020. "Naquela época ponderei com ele que não queria aceitar e ter que sair em março para concorrer. Então, segui o plano de ir às eleições e declinei do convite", revela.

Com a saída anunciada de Sônia Rosa, que até fevereiro era a secretária de Canoas, o nome de Beth voltou a mesa de Jairo. Em uma conversa com o blog assim que o nome da ex-vice foi confirmado, o prefeito disse que evitou vazar qualquer especulação em torno da indicação para evitar constrangimentos a Beth, que vinha se recuperando de uma série de sessões de quimioterapia por conta de câncer descoberto em setembro do ano passado. Até então, ela ainda era pré-candidata a deputada estadual.

"Entre o chamado para ser secretária e o sonho de ser deputada estadual, dessa vez optei pelo chamado do prefeito Jairo Jorge", diz. Enfrentar a doença que a acomete teve um pouco a ver com isso, também. Na Secretaria de Educação, Beth consegue controlar melhor a agenda de trabalho – o que é praticamente impossível durante uma campanha que precisa percorrer o Estado inteiro. "Meus médicos deram o 'ok' para trabalhar, mas eu preciso ter cuidado. Aqui posso me dedicar e estou pertinho de casa".

A General Netto, 37 anos depois

Nessa volta à Educação, Beth lembrou de uma história curiosa em relação a escola General Netto, no bairro Olaria. Há 37 anos, na primeira oportunidade que ela esteve à frente da Secretaria de Educação, no governo do prefeito Cláudio Schultz, Beth foi quem inaugurou o préido da escola. Naquele tempo, antes que a obra ficasse pronta, as crianças estavam tendo aulas no salão paroquial que fica ao lado – exatamente como agora.

"Quando soube disse: não pode ficar assim", conta Beth. "Já adquirimos e vamos instalar lá salas moduladas com cortinas, ar-condicionado e todo o equipamento necessário às aulas. E a obra da escola vai ficar pronta".

Falando em obras, a escola Sete de Setembro, que fica entre a Olaria e o Guajuviras, também está em obras – mas, por lá, o canteiro parou. "A empresa contratada desistiu e há um processo para chamarmos outra, que não é muito simples. Essas construtoras não querem assumir o que outro começou, geralmente. Mas estamos resolvendo e vamos dar ordem de início assim que possível".

 

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »